PremiumFilipe Garcia: “Há riscos, mas a China tem as ferramentas para conter a crise”

Sector imobiliário chinês poderá “implodir” com eventual colapso da Evergrande, admite Filipe Garcia. Mas a situação pode ser controlada.

O economista Filipe Garcia, da IMF – Informação de Mercados Financeiros, admite que a situação da Evergrande pode ter consequências muito negativas para a economia chinesa e criar riscos para a retoma global, mas considera que as autoridades de Pequim têm os instrumentos necessários para conter a crise.

Podemos falar de um “momento Lehman” chinês?
A comparação com a Lehamn é tentadora, mas tenho dúvidas. A Lehman era um banco, com relativamente poucos ativos tangíveis face ao seu balanço e com imensos vasos comunicantes para muitos setores (e países) e com um papel central no sistema financeiro mundial. A Evergrande é uma construtora, tem ativos tangíveis e grande parte dos ativos e passivos está na China. Há riscos para o sistema financeiro chinês, mas a China tem ferramentas para conter os danos e a crise.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Mediadores imobiliários: “Em 2022 vão surgir oportunidades no interior do país”

Presidente da APEMIP acredita que os grandes grupos continuarão a investir, apesar do fim dos Vistos Gold em Lisboa e no Porto.

“Temos fatores de produção exageradamente desfasados [da concorrência]”

O sector agroalimentar português é competitivo, mas perde força por causa dos custos de contexto. Ao JornalEconómico, o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) defende que o Governo tem de ter um papel de apoio. “O Ministério da Agricultura pode estar a pensar em muita coisa, mas na agricultura não está seguramente”, acusa.

PremiumGilles Lipovetsky: “A inteligência é a única riqueza da Europa”

O olhar acutilante do pensador francês sobre a sociedade contemporânea é sempre um ponto de partida estimulante para saber em que ponto de (des)equilíbrio nos encontramos. Gilles Lipovetsky não abdica do seu “fundo otimista” e considera que temos os meios para resolver a grande crise que hoje enfrentamos, a crise climática. Mas sublinha que “a humanidade não irá evoluir pela via da moral”. É fundamental inovar e mudar os modelos de produção, diz-nos.
Comentários