Fim do tabu: Pardal Henriques candidato pelo PDR de Marinho Pinto

O tabu durava há duas semanas e foi hoje finalmente desfeito. Marinho Pinto deixou fortes elogios ao homem que deu a cara pelos motoristas no seu conflito laboral que se arrasta há meses.

pedro-pardal-henriques-SNMMP
António Pedro Santos / Lusa

Pedro Pardal Henriques vai ser candidato pelo partido de Marinho Pinto às eleições legislativas. O vice-presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) é um dos candidatos ao Parlamento pelo Partido Democrático Republicano (PDR).

A confirmação da candidatura do advogado foi feita pelo líder do PDR, Marinho Pinto, em declarações à RTP 3.

“Estamos muito orgulhosos por termos no combate eleitoral o homem que foi a cara de um combate sindical extremamente importante porque fugiu ao controlo que os aparelhos partidários têm sobre o sindicalismo em Portugal”, disse Marinho Pinto esta quarta-feira, 21 de agosto, à chegada ao tribunal da comarca do Porto para entregar a lista de candidatos pelo PDR.

“Um sindicalismo controlado por comissários políticos dos partidos é um sindicalismo castrado, que não representa os interesses dos trabalhadores. Pardal Henriques rompeu com isso”, destacou o líder do PDR.

“E rompeu também com um esquema gigantesco de fraudes no pagamento nas remunerações de trabalho em Portugal, denunciou publicamente”, acrescentou Marinho Pinto.

Está assim desfeito o tabu em redor da candidatura do advogado que tem sido a cara dos motoristas de matérias perigosas no seu conflito laboral contra os patrões do setor. A candidatura pelo PDR do porta-voz dos motoristas foi feita há duas semanas pelo Diário de Notícias. Desde então, tanto Marinho Pinto como Pardal Henriques têm recusado confirmar a candidatura.

O líder do PDR já deixou vários elogios públicos a Pedro Pardal Henriques. “Seria um excelente candidato à Assembleia da República porque liderou, ou participou, num processo de luta sindical, dos fenómenos mais importantes da democracia portuguesa, ou mesmo o mais importante, sobretudo após a fase da degenerescência da democracia”, disse Marinho Pinto na terça-feira, 20 de agosto, em entrevista à Rádio Observador.

Marinho Pinto revelou identificar-se com a luta sindical protagonizada por Pardal Henriques e os motoristas de combustíveis. “Revejo-me na substância deste processo”, afirmou.

“Sabe o que representa para a sociedade portuguesa andarem pessoas a trabalharem mais de 70 horas por semana a transportar toneladas de combustíveis? Sabe o perigo que isso representava? As pessoas não imaginam… andavam com bombas relógios tenebrosas atrás de si, a trabalhar mais de 70 horas por semana, e a receber uma grande fatia do ordenado por baixo da mesa, para os patrões não pagarem contribuições para a Segurança Social”, disse o antigo bastonário da Ordem dos Advogados.

 

Ler mais
Relacionadas
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas_3

Motoristas em greve às horas extraordinárias entre 7 a 22 de setembro

A greve cirúrgica dos motoristas vai incidir somente sobre as horas de trabalho acima das oito horas nos dias úteis, sobre o trabalho aos fins de semana e feriados. Motoristas rejeitam necessidade de serviços mínimos.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Marinho Pinto: “Pardal Henriques seria um excelente candidato ao Parlamento”

O líder do PDR recusa desfazer o tabu que envolve o nome do vice-presidente do sindicato dos motoristas como candidato pelo partido à Assembleia da República.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Pardal Henriques avisa que não vai aceitar o mesmo acordo assinado pelos outros sindicatos

Pardal Henriques acusou o Governo de ter estado ao lado dos patrões durante a greve dos motoristas. O sindicalista diz que a mudança de atitude por parte do Governo permitiu o fim da greve.
Recomendadas
TAP Portugal

TAP. Governo diz que está a ser avaliada hipótese da companhia aérea fazer “outro tipo de rotas”

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, explica que a possibilidade ganhou força devido às alterações no mercado devido à pandemia da Covid-19 e ao aumento da frota da empresa que está “inativa”.

Diploma do Chega sobre incompatibilidade de políticos retirado do plenário pelo Governo

Presidência da Assembleia da República avisou gabinete de André Ventura que o Executivo não autorizou o arrastamento do seu projeto de lei para ser discutido em conjunto com proposta de lei sobre contratação pública. “O Governo não achou bem o projeto e passou por cima do presidente da Assembleia da República”, protestou o deputado único do Chega.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.
Comentários