Fim do tabu: Pardal Henriques candidato pelo PDR de Marinho Pinto

O tabu durava há duas semanas e foi hoje finalmente desfeito. Marinho Pinto deixou fortes elogios ao homem que deu a cara pelos motoristas no seu conflito laboral que se arrasta há meses.

pedro-pardal-henriques-SNMMP
António Pedro Santos / Lusa

Pedro Pardal Henriques vai ser candidato pelo partido de Marinho Pinto às eleições legislativas. O vice-presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) é um dos candidatos ao Parlamento pelo Partido Democrático Republicano (PDR).

A confirmação da candidatura do advogado foi feita pelo líder do PDR, Marinho Pinto, em declarações à RTP 3.

“Estamos muito orgulhosos por termos no combate eleitoral o homem que foi a cara de um combate sindical extremamente importante porque fugiu ao controlo que os aparelhos partidários têm sobre o sindicalismo em Portugal”, disse Marinho Pinto esta quarta-feira, 21 de agosto, à chegada ao tribunal da comarca do Porto para entregar a lista de candidatos pelo PDR.

“Um sindicalismo controlado por comissários políticos dos partidos é um sindicalismo castrado, que não representa os interesses dos trabalhadores. Pardal Henriques rompeu com isso”, destacou o líder do PDR.

“E rompeu também com um esquema gigantesco de fraudes no pagamento nas remunerações de trabalho em Portugal, denunciou publicamente”, acrescentou Marinho Pinto.

Está assim desfeito o tabu em redor da candidatura do advogado que tem sido a cara dos motoristas de matérias perigosas no seu conflito laboral contra os patrões do setor. A candidatura pelo PDR do porta-voz dos motoristas foi feita há duas semanas pelo Diário de Notícias. Desde então, tanto Marinho Pinto como Pardal Henriques têm recusado confirmar a candidatura.

O líder do PDR já deixou vários elogios públicos a Pedro Pardal Henriques. “Seria um excelente candidato à Assembleia da República porque liderou, ou participou, num processo de luta sindical, dos fenómenos mais importantes da democracia portuguesa, ou mesmo o mais importante, sobretudo após a fase da degenerescência da democracia”, disse Marinho Pinto na terça-feira, 20 de agosto, em entrevista à Rádio Observador.

Marinho Pinto revelou identificar-se com a luta sindical protagonizada por Pardal Henriques e os motoristas de combustíveis. “Revejo-me na substância deste processo”, afirmou.

“Sabe o que representa para a sociedade portuguesa andarem pessoas a trabalharem mais de 70 horas por semana a transportar toneladas de combustíveis? Sabe o perigo que isso representava? As pessoas não imaginam… andavam com bombas relógios tenebrosas atrás de si, a trabalhar mais de 70 horas por semana, e a receber uma grande fatia do ordenado por baixo da mesa, para os patrões não pagarem contribuições para a Segurança Social”, disse o antigo bastonário da Ordem dos Advogados.

 

Ler mais
Relacionadas
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas_3

Motoristas em greve às horas extraordinárias entre 7 a 22 de setembro

A greve cirúrgica dos motoristas vai incidir somente sobre as horas de trabalho acima das oito horas nos dias úteis, sobre o trabalho aos fins de semana e feriados. Motoristas rejeitam necessidade de serviços mínimos.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Marinho Pinto: “Pardal Henriques seria um excelente candidato ao Parlamento”

O líder do PDR recusa desfazer o tabu que envolve o nome do vice-presidente do sindicato dos motoristas como candidato pelo partido à Assembleia da República.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Pardal Henriques avisa que não vai aceitar o mesmo acordo assinado pelos outros sindicatos

Pardal Henriques acusou o Governo de ter estado ao lado dos patrões durante a greve dos motoristas. O sindicalista diz que a mudança de atitude por parte do Governo permitiu o fim da greve.
Recomendadas
Debate António Costa Rui Rio

Costa agita “milhares de milhões de euros” se não houver aeroporto no Montijo e Rio alerta para emigração igual à soma do Porto com Viana do Castelo

Frente a frente entre o primeiro-ministro e o líder social-democrata envolveu riscos de indemnizações à ANA, emigração em série, impostos, saúde, justiça e educação.

Do whisky aos fatos de homem. Marcas de luxo europeias podem render mil milhões de dólares a Trump

A empresa LVMH, mais conhecida pela Louis Vuitton, está particularmente vulnerável aos impostos norte-americanos propostos por Trump, uma vez que detém dois produtos de luxo: bebidas e artigos de roupa.

Portugal condena de forma “veemente” o ataque às instalações petrolíferas da Arábia Saudita

Esta segunda-feira, os mercados acordaram com uma subida de 20% do preço do petróleo depois de se saber que as instalações da Aramco, a petrolífera estatal da Arábia Saudita, foi severamente afetada por um ataque de drones levado a cabo por um grupo de Houthis, do Iémen, e que são pró-Irão.
Comentários