Finanças: “As estruturas sindicais mantiveram a sua posição de intransigência”

“O Governo não deixará de reconhecer, através do decreto-lei, a recuperação de tempo de serviço docente, tendo por referência uma visão integrada do sistema de emprego público, num paralelismo com a diversidade de carreiras e dos respetivos mecanismos de desenvolvimento remuneratório”, lê-se no comunicado.

O Ministério das Finanças apressou-se a comentar a reunião com os professores que motivou críticas, à saída, de Mário Nogueira da Fenprof.

“Tendo a Assembleia da República introduzido na Lei do Orçamento do Estado para 2019 uma norma igual à que constava da Lei do Orçamento para 2018, e  não estando ainda fechado o processo legislativo do decreto-lei que permite aos docentes recuperar tempo de serviço, o Governo correspondeu com a convocatória para uma nova reunião de negociação com as estruturas sindicais para verificar a possibilidade de aproximação e solicitar a apresentação de novas propostas”, começa por dizer o comunicado.

Mas, diz o Governo, “verificou-se que as estruturas sindicais mantiveram a sua posição de intransigência, não aceitando negociar nada que não seja a recuperação integral de 9 anos, 4 meses e 2 dias, recusando, assim, qualquer abertura negocial”. Ora, lembra o Ministério de Mário Centeno, “esta solução foi expressamente rejeitada pela Assembleia da República na votação na especialidade do Orçamento do Estado, tendo apenas sido aprovado manter aberta a via negocial, deixando os moldes dessa negociação totalmente em aberto”.

O Governo acrescenta que “não pode aceitar que os professores sejam prejudicados”. Por isso, garante que “retomará o processo legislativo do decreto-lei que permite aos docentes dos ensinos básico e secundário, cuja contagem do tempo de serviço esteve congelada entre 2011 e 2017, recuperar 2 anos, 9 meses e 18 dias, a repercutir no escalão para o qual progridam a partir daquela data”.

“O Governo evita, desta forma, um impasse que só prejudica os professores”, defende o Ministério das Finanças.

Assim, “mesmo sem o acordo das estruturas sindicais, e sem que a recuperação do tempo fizesse parte do seu Programa, no qual foi inscrito o compromisso de descongelamento das carreiras, o Governo não deixará de reconhecer, através do decreto-lei, a recuperação de tempo de serviço docente, tendo por referência uma visão integrada do sistema de emprego público, num paralelismo com a diversidade de carreiras e dos respetivos mecanismos de desenvolvimento remuneratório”, lê-se no comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Eleições Guiné-Bissau: CNE confirma vitória de Embaló

A CNE rejeitou as reclamações apresentadas pelo representante da candidatura de Domingos Simões Pereira.

Brexit: Barnier pronto a começar negociações mas alerta que “não as concluirá a qualquer preço”

O negociador-chefe da União Europeia espera um bom arranque das negociações, até porque, sublinhou, “há muito pouco tempo pela frente”, dado um acordo abrangente ter de ficar ‘fechado’ até ao final do ano, altura em que termina o chamado período de transição do ‘Brexit’.

Bruxelas pede a Portugal e mais 21 países para acabar com captura acidental de golfinhos

O comissário Europeu Virginijus Sinkevičius afirmou que, em toda a UE, “os níveis de capturas acidentais são inaceitáveis”, podendo levar à “extinção de populações locais de espécies protegidas”.
Comentários