Financiamento de empresas com criptomoedas dispara 1.500% em 2018

O valor de criptomoedas como a bitcoin cai cerca de 60% este ano, mas o interesse por ‘initial coin offerings’ não arrefeceu. Os analistas antecipam que esta forma de financiamento continue a crescer.

O financiamento de empresas através initial coin offerings (ICO) é cada vez maior e parece indiferente às correções do valor de grandes criptomoedas, como a bitcoin ou a ether. O montante angariado nestas operações disparou 1.527%, a nível global, para 13.616 milhões de dólares (equivalente a cerca de 11.690 milhões de euros), nos primeiros seis meses de 2018, face ao período homólogo.

Em menos de três meses, o montante ultrapassou a totalidade de 5.482 milhões de dólares (4.706 milhões de euros) angariados ao longo de 2017. Não só o número de operações aumentou (de 343 no total de 2017 para 394 nos primeiros seis meses de 2018), mas especialmente o momento investido em cada empresa.

“O disparo do montante levantado em ICO tem a ver com o aumento considerável da notoriedade e interesse do mercado”, explicou Filipe Garcia, economista e presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros. “O facto de as ICO terem conseguido atrair muito interesse por parte de investidores levou à criação de muitos projetos novos que pretendiam captar fundos – ou seja aumentou a oferta. Por outro lado, os ganhos registados por muitos detentores de tokens e moedas atraíram procura por este tipo de ativos”.

O consultor de blockchain, Justin Wu, acrescenta ainda que do lado das empresas há atualmente uma nova perceção. “As ICO só estão a acelerar porque são um meio de formação de capital muito mais eficiente que o financiamento tradicional de venture capital”, diz.

“Estamos a presenciar o estabelecimento de uma nova classe de ativos com ether e bitcoin”, afirmou, sublinhando que há profissionais da área financeira tradicional que estão a abandonar os negócios que tinham para se dedicar a criptomoedas e ICO. “Esta tendência irá apenas acelerar em 2018”.

O aumento expressivo aconteceu, no entanto, no mesmo período em que o valor das criptomoedas passaram por correções e quebraram os ciclos de valorizações do ano passado.

No caso da bitcoin, que negoceia nos 7.410 dólares, já perde quase 57% desde os máximos do ano tocados em janeiro, acima dos 17 mil dólares. Já a ether, nos 492 dólares, deu um tombo de mais de 64% em relação aos máximos de 1.380 dólares em janeiro.

“O mercado das criptomoedas corrigiu, no geral, cerca de 60% desde os máximos, neste primeiro semestre. É de louvar que continuem todos os dias a surgir novos projetos em forma de ICO, o que demonstra que não é o preço da bitcoin que define a saúde deste mercado, mas sim os agentes que o compõem, que continuam a mostrar uma vitalidade brutal”, afirmou Tiago da Costa Cardoso, senior broker da XTB.

Enquanto as criptomoedas acentuavam a volatilidade e acompanhavam o momento negativo nas ações, outras mudanças incentivavam o investimento cripto. “Investidores institucionais e instituições financeiras têm preparado infraestruturas e licenças necessárias para entrarem no espaço das criptomoedas”, disse Wu, dando o exemplo das bolsas norte-americana Nasdaq e suíça Six Group, que estarão a preparar a abertura de plataformas de transação, enquanto a gestora de ativos Blackrock pondera investir em cripto e o regulador dos mercados dos EUA suavizou as regras para exchange traded funds (ETFs) que poderá permitir a emergência de ETF de bitcoin e ether.

A expetativa do mercado é que estas mudanças permitam a gestores de ativos tradicionais entrarem no mundo cripto.

“A Coinbase acabou de receber luz verde dos reguladores norte-americanos para oferecer security tokens”, lembrou o consultor. “O primeiro boom cripto em 2017 foi alimentado por utility tokens em Ethereum. O segundo ‘boom’ cripto será muito maior em termos de magnitude e de security tokens, que estão ligados a ativos reais como imobiliário, ouro ou até mesmo ações e obrigações”.

Ao longo deste período, o disparo do financiamento através de ICO foi composto principalmente por grandes operações internacionais, como a da EOS, da Telegram, Dragon e HuobiToken. A uma escala consideravelmente menor, também há projetos portugueses, como é o caso da Bityond, cuja ICO está atualmente a decorrer. A WallID e a Abypay planeiam fazê-lo até ao final do ano.

“Para Portugal, o futuro próximo não é muito risonho, porque os projetos que existem disponíveis  de ICO não estão a ter um sucesso tão forte e, além disso, continua a haver um grande afastamento entre os portugueses e este mercado. Por outro lado, os avisos dos reguladores e o afastamento quase completo dos intermediários financeiros a estes mercados contribui para esse afastamento”, afirma Garcia, da IMF.

Costa Cardoso, da XTB, também vê menos entusiasmo por parte dos investidores devido à correção, mas está mais otimista. “Acredito que até ao final do ano, o sentimento do mercado deverá ser cada vez mais positivo, o que, juntando a um conhecimento cada vez maior da sociedade, nos pode trazer perspetivas muito otimistas em diante”, acrescentou.

Ler mais
Relacionadas

Venezuela passa a ter duas unidades monetárias a 20 de agosto

A Venezuela vai passar a ter duas unidades monetárias contabilísticas, o bolívar soberano e o petro, uma criptomoeda venezuelana, a partir da próxima segunda-feira, anunciou Nicolás Maduro.

Investidores mostram “forte interesse” por dívida emitida pelo Banco Mundial através de blockchain

Esta será a primeira emissão no mundo de Obrigações criadas, locadas, transferidas e geridas através da tecnologia. Os títulos serão chamados bond-i (blockchain operated new debt instrument) e serão lançados após um período de consultas com investidores.

Criptomoedas já desvalorizaram 600 mil milhões de dólares desde janeiro

A decisão do supervisor dos mercados financeiros dos EUA, a SEC, de adiar a decisão de autorizar ETF associados a bitcoin levou a capitalização do mercado cripto para mínimos de novembro do ano passado.
Recomendadas

Continental Mabor pede aos Correios para não fechar posto de Lousado

Pedro Carreira, responsável da quarta maior exportadora em Portugal, está preocupado com o efeito de um eventual encerramento do posto de Correios em Lousado.

Há 21 países europeus com a gasolina mais barata que em Portugal

Impostos têm um peso de 64% no valor total de cada litro deste combustível em Portugal.

Preços das casas em Portugal subiram 15,6% no terceiro trimestre

Dados da Confidencial Imobiliário revelam que em cerca de um terço (90) dos concelhos monitorizados, o crescimento homólogo permaneceu acima dos 10% no trimestre em análise.
Comentários