Finerge compra duas centrais eólicas à Martifer e SPEE por 23 milhões

Empresa detida pelo fundo australiano First State reforçou a sua posição como segunda maior produtora eólica em Portugal.

A Finerge comprou duas centrais eólicas por 23 milhões de euros que eram detidas em 50% pela Martifer. As centrais contam com uma potência instalada total de 18,9 megawatts (MW) e ficam localizadas em Vila Franca de Xira (12,6 MW) e em Baião (6,3 MW).

“Esta alienação insere-se na estratégia do grupo de rotação de ativos, cristalização de valor e redução da dívida”, pode-se ler no comunicado enviado à CMVM pela Martifer.

A Finerge é a segunda maior produtora de energia eólica em Portugal contando no seu portfólio de 43 centrais eólicas, com uma capacidade instalada de 908,1 megawatts.

“Esta aquisição está alinhada com a nossa estratégia de crescimento e é uma prova do nosso emprenho em continuar a investir em Portugal. Espelha também o nosso continuo contributo para apoiar os esforços do país no caminho para neutralidade carbónica”, disse em comunicado o presidente executivo da Finerge Pedro Norton.

Relacionadas

Renováveis: Concorrência notificada da compra da Generg pela francesa Total

A produtora de energias renováveis Generg foi comprada pela Total Eren por mais de 500 milhões de euros.

Total vence concurso para a compra da Generg. NovEnergia recebe já 95% do valor

O valor pago pela Total tem em conta as indemnizações que os Estados de Espanha e Itália foram condenados a pagar à NovEnergia. Segundo as nossas fontes, essas compensações são pagas aos acionistas do fundo (o que abate ao preço pago pelos franceses). O Fundo terá de ser extinto até ao fim de março, depois da venda dos seus ativos.

Produção eólica em Portugal volta a registar recordes

A Associação de Energias Renováveis assinala que a 1 de fevereiro foram produzidos 102,8 GWh de energia eólica, tendo correspondido a 90% do consumo nacional.
Recomendadas

PremiumPresidente da ATP disponível para novas fusões que unifiquem o setor

Mário Jorge Machado diz que consolidar o associativismo nos têxteis até unir todos os empresários seria benéfico para o setor. Frente internacional é outra prioridade do líder da Associação Têxtil e do Vestuário de Portugal.

Premium70 anos da Santini. Como a teoria do Big Bang se pode aplicar aos gelados artesanais

Desde o avô Attilio, desde a Cortina d’Ampezzo, a história da mais famosa gelataria portuguesa está a comemorar a partir desta semana o seu 70.º aniversário e já vai para a quarta geração dentro da família. O grande salto de expansão da cadeia foi dado, há cerca de 12 anos, com a parceria com a família Botton. Os novos desafios passam por mais lojas em Lisboa, Porto e Algarve, bem como a entrada nos mercados internacionais.

Mais de mil empresas brasileiras recebem apoio para negócios no exterior

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Confederação Nacional da Indústria querem acelerar a internacionalização nas firmas locais.
Comentários