Finerge entra na produção de energia solar em Portugal em transação assessorada pelo Santander

Com esta operação, a Finerge entrou na produção de energia solar em Portugal ao adquirir um portfólio com uma capacidade instalada de 30 megawatts-pico.

O Santander Corporate & Investment Banking foi o assessor financeiro exclusivo da Glennmont Partners na venda à Figerge de quatro parques solares fotovoltaicos em Portugal que estão localizados em Santarém, Setúbal e no concelho de loulé.

Em comunicado, a divisão de M&A do Santander Totta explicou que, com esta operação, a Finerge entrou na produção de energia solar em Portugal ao adquirir um portfólio com uma capacidade instalada de 30 megawatts pico (MWp).

“O de Santarém localiza-se em Coruche (9.6 MWp), o de Setúbal no Seixal (8.9 MWp) e em Loulé estão instalados o Sol Cativante V (6.7 MWp) e Sol Cativante VII (4.6 MWp). Iniciaram operações entre 2013 e 2014, tendo uma produção anual combinada de 50 GWh”.

O montante da operação não foi detalhado.

A Gennomnt Partners, gestora de fundos dedicados unicamente a investimentos em energias renováveis, vai desinvestir pela primeira vez no fundo “Clean Energy Fund II”, de 500 milhões de euros, criado em 2013.

O Santander já tinha prestado assessoria às transações da EDPR-Enel Green Power- Generg no Asset Split da ENEOP (1335MW), da First State Investments nas aquisições da Finerge, Âncora Wind e dos parques eólicos da Brookfield em Portugal (940MW no seu conjunto) e à EDP na OPA sobre a EDPR (10.400MW)

 

 

Ler mais
Recomendadas

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.

ASF esclarece que não se opôs à venda do GNB porque Lindberg não seria o beneficiário final

Supervisor de seguros português reitera que apenas se pronunciou sobre idoneidade e capacidade de assegurar gestão sã da GNB pelo fundo Apax, no qual não detetou ligações com o empresário condenado por corrupção nos EUA.

Novo Banco: Marcelo não comenta venda de seguradora com 70% de desconto e diz que vai esperar pela auditoria

O Chefe de Estado disse que vai esperar pela auditoria à gestão do banco liderado por António Ramalho, pedida pelo Governo à Deloitte, e que as consequências dos negócios ruinosos do Novo Banco só poderão ser determinadas depois de conhecidos os resultados da auditoria.
Comentários