‘Fintar’ os ‘tubarões’ e garantir 44,06 milhões no ‘sofá’. Como o desaire do FC Porto ajudou o SL Benfica

Com a eliminação da Liga dos Campeões, os ‘dragões’ deram duas prendas ao rival da Luz: ‘águias’ evitam tubarões e ficam com todo o ‘bolo’ dos direitos televisivos da UEFA.

Filipe Amorim / Global Imagens

Com o desaire no Estádio do Dragão, e a consequente eliminação do FC Porto do ‘playoff’ para a Liga dos Campeões, os dragões deram duas autênticas ‘prendas’ ao rival da Luz.

Com a eliminação da equipa liderada por Sérgio Conceição, e a impossibilidade dos azuis e brancos em seguirem para o ‘play-off’ de apuramento para a ‘Champions’, o SL Benfica garante a entrada no pote 2 do sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões (sendo que o mesmo seria conseguido caso o Ajax fosse eliminado, o que não aconteceu).

Este posicionamento no pote 2, permite à equipa de Bruno Lage evitar equipas com orçamentos respeitáveis como o Real Madrid e Atlético de Madrid. Além dos gigantes de Madrid, as ‘águias’ vão evitar o Borussia Dortmund, o Nápoles, o Tottenham, finalista em 2018/19, e o Shakthar Donetsk.

Assim, o Benfica poderá ter como adversários o Liverpool, campeão europeu, o Chelsea, detentor da Liga Europa, o FC Barcelona, o Manchester City, a Juventus, o Bayern Munique, o Paris Saint-Germain ou o Zenit.

44,06 milhões sem sair do ‘sofá’

Com a eliminação dos ‘dragões’, o Benfica garantiu desde já 44,06 milhões de euros mesmo antes de começar a jogar na Liga dos Campeões. Isto acontece porque, ao nível dos direitos televisivos, a UEFA irá distribuir um total de 292 milhões de euros pelos 32 clubes, em função do valor proporcional dos países. Sendo a única equipa portuguesa, o SL Benfica receberá os 100% de Portugal e, se acompanhado por outra equipa portuguesa, teria de ceder 40% ao FC Porto.

Ler mais
Relacionadas

Arranca hoje a corrida do FC Porto pela Champions de olho em encaixe de 44 milhões

Sérgio Conceição e os seus homens estão a, pelo menos, 360 minutos de distância de poderem engordar a conta bancária dos azuis e brancos de forma generosa. Este encaixe financeiro é visto como fundamental pela SAD portista.

“Brahimi? O FC Porto não perdeu nada de especial”

O que faz com que um jogador como Brahimi escolha jogar no Qatar em vez de continuar na alta roda do futebol europeu? Luís Miguel Henrique e João Marcelino comentaram a opção de carreira do internacional argelino na última edição do Jogo Económico.

PremiumAdrien Bouchet: “Para as ligas serem competitivas, todos os clubes têm de ser fortes”

Adrien Bouchet, antigo senior manager explica ao Jornal Económico o sucesso do modelo desportivo-financeiro na América do Norte, onde a mentalidade e partilha da riqueza entre os clubes são a chave.
Recomendadas

PremiumTáticas para contratar: da desestabilização ao custo zero

Não deveria valer tudo para contratar mas existem clubes especialistas em manobras de aquisição dos melhores talentos. Curiosamente, ou não, esses emblemas são campeões crónicos nas suas Ligas.

“No hóquei em patins, somos como a irredutível aldeia dos gauleses”

Luís Sénica, antigo selecionador nacional de hóquei em patins e presidente da Federação de Patinagem de Portugal, realçou ao Jogo Económico a resiliência da modalidade ao longo dos anos. “Somos como a irredutível aldeia dos gauleses”, realçou o líder federativo.

“O golfe é caro? Temos de mudar esse dogma”

Carlos Cortês, diretor do Conselho Nacional da Indústria do Golfe, veio ao ‘Jogo Económico’ e abordou o tema do custo referente à prática da modalidade. Para o dirigente, a dúvida sobre se o golfe é caro, é um dogma que tem de ser mudado.
Comentários