Fintech luso-americana Anchorage e Visa desenvolvem piloto para levar bitcoin aos bancos

O banco de criptomoedas fundado pelo empreendedor Diogo Mónica integra um projeto com a Visa para que as instituições financeiras permitam a compra e venda de ativos digitais. O serviço deverá estar disponível no final de 2021.

A fintech luso-americana Anchorage, que foi recentemente aprovado como banco de criptomoedas nos Estados Unidos, está a desenvolver um projeto piloto com a Visa para permitir aos bancos oferecerem serviços com moedas virtuais, como armazenamento, compra e venda de bens digitais.

O programa, designado “Crypto APIs”, pretende auxiliar as empresas do sector financeiro – neste caso clientes da Visa – a aceder e integrar funcionalidades criptográficas nos seus produtos. O serviço, com tecnologia de ADN português, deverá estar disponível no mercado no final do ano.

O primeiro banco a testar esta nova funcionalidade vai ser o neobanco (exclusivamente digital) First Boulevard e será a rampa de lançamento das instituições financeiras num serviço que pretende responder às necessidades dos consumidores. Até porque, só em janeiro, houve mais de 700 mil milhões de criptomoedas negociadas, dez vezes mais do que no mesmo período do ano passado.

“Na prática, a utilização da plataforma bancária da Anchorage vai permitir à Visa integrar recursos como a bitcoin e outras moedas digitais no leque de serviços”, explica a empresa cofundada em 2017 por Diogo Mónica e Nathan McCauley, em comunicado divulgado esta quarta-feira.

“Com o programa-piloto Visa Crypto APIs, planeamos alargar o valor da Visa aos nossos clientes, fornecendo uma ponte entre os neobancos e as instituições financeiras existentes para novos ativos digitais e a blockchain“, acrescenta Jack Forestell, vice-presidente executivo e diretor de produto principal da Visa, na mesma nota.

Relacionadas

“Moeda digital do Facebook vai mesmo ser lançada no início de 2021. É um produto muito especial”

Diogo Mónica, cofundador e presidente da fintech luso-americana Anchorage, é um dos rostos por trás da associação que está a desenvolver a moeda digital do Facebook, que mudou recentemente de “Libra” para “Diem”. “Não posso adivinhar o futuro, mas estou confiante”, diz ao Jornal Económico.
Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários