Fisco ganha 23% com linhas de apoios às vítimas do incêndio

“Não há enquadramento legal para a não cobrança de IVA”, afirma o Ministério das Finanças.

A linha de apoio às vítimas e habitantes das zonas afetadas pelos fogos que deflagraram no país incluem no preço uma taxa de IVA de 23%. Assim, por cada mil euros oriundos das chamadas de solidariedade, 230 euros vão automaticamente para o Estado – o que perfaz apenas 770 euros para caridade.

As contas foram feitas pelo Correio da Manhã, que questionou o Ministério das Finança sobre a possibilidade de abrir uma exceção neste caso e não cobrar a taxa em questão. “Não há enquadramento legal para a não cobrança de IVA”, responde ao CM o gabinete de Mário Centeno.

As linhas telefónicas que se criaram para ajudar vítimas, familiares e operacionais tem permitido adquirir e disponibilizar bens essenciais às populações e mais meios de trabalho. A onda de ajuda nacional e internacional chegou através de telefone, de contas próprias para o efeito nos bancos, nas bases dos bombeiros, etc. Além disso, encontra-se disponível uma linha de apoio (800 246 246) para novidades sobre as vítimas e acessos de estradas.

Inicia-se esta terça-feira o terceiro e último o dia de luto nacional pelas vítimas do incêndio que deflagrou às 13h43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande. Mais tarde, alastrou-se aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

Recomendadas

Marcelo defende que escolas devem “fechar o mais cedo possível”

Apesar de apontar efeitos demolidores para os estudantes, Marcelo Rebelo de Sousa defende que as escolas devem fechar o “mais cedo possível”, disse hoje ao Observador.

Portugal foi o quarto país da zona euro que mais aumentou o peso da dívida pública no terceiro trimestre

O rácio da dívida pública na zona euro subiu para 97,3% do PIB no terceiro trimestre do ano passado. Portugal continua a ocupar o terceiro lugar do ranking de países com o maior peso de dívida pública e em comparação com o segundo trimestre foi dos que registou a maior subida.

Portugal teve o terceiro maior défice da zona euro no terceiro trimestre

Os défices na zona euro caíram para 5,8% do PIB no terceiro trimestre do ano passado, em termos ajustados de sazonalidade. O défice de Portugal igualou o de Espanha e fixou-se acima da média dos países da moeda única.
Comentários