Fisco validou 257 milhões de euros em créditos fiscais a quatro bancos

Entre 2016 e 2019, o a Unidade dos Grandes Contribuintes recebeu 19 pedidos de conversão em créditos tributários mas apenas aprovou 11, tendo rejeitado 121 milhões de euros.

O Novo Banco, o Haitong (o antigo Banco Espírito Santo de Investimento), o banco Efisa e o Bison Bank (o antigo Banif – Banco de Investimentos) receberam luz verde do fisco para converterem em créditos tributários 257 milhões de euros de “activos por impostos diferidos” referentes a anos fiscais desde 2016.

Na notícia avançada pelo “Público“, esta sexta-feira, o fisco recebeu 19 pedidos de conversão apresentados por seis bancos, entre 2016 e 2019, e, desse universo, concluiu a análise de 11 processos que totalizavam 378 milhões de euros. Porém, apenas nove receberam a aprovação fiscal depois de ter indeferido dois pedidos do Banif. Ao todo, o Fisco rejeitou a conversão de 121 milhões euros.

Segundo o jornal, que cita os dados do relatório semestral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), além dos 11 processos já concluídos, a Unidade dos Grandes Contribuintes (UGC) ainda tinha de analisar um pedido da Caixa Geral de Depósitos, três do Haitong, um do Efisa, um do Bison e mais dois do Novo Banco.

Estes oito pedidos que ainda estavam pendentes em dezembro de 2019 totalizam 752 milhões de euros, o que significa que, entre os valores já aprovados, os rejeitados e aqueles que ainda estão em análise, os bancos pediram para converter em créditos 1.131 milhões de euros.

Recomendadas

Trabalhadores da CGD em greve ao trabalho extraordinário até 14 de janeiro

A partir do próximo dia 13 de dezembro, data de início à greve às horas extraordinárias, os trabalhadores assumem que apenas vão cumprir as sete horas de trabalho.

Banco Montepio emite obrigações sobre 357 milhões de crédito ao consumo

A carteira “Pelican Finance” é uma titularização de crédito ao consumo performing. Não é por isso uma venda de carteira de malparado, explicou ao Jornal Económico fonte do banco. A titularização foi colocada junto de investidores institucionais internacionais, em cinco tranches colateralizadas.

Mckinsey alerta que bancos continuam com rentabilidades abaixo do custo de capital

A Mckinsey considera que a indústria, no seu conjunto, está preparada para uma recuperação que poderá colocar o return on equity (ROE) entre 7% e 12% até 2025. Mas o foco estará no modelo de negócio que os bancos adoptarem.
Comentários