Fitch: Economia adversa e taxas de juro baixas pressionam os bancos da Europa Ocidental

A maioria dos ratings dos bancos da Europa Ocidental está no ‘Stable Outlook’, e a evolução para “perspetivas negativas” reflete principalmente um maior risco para os ratings devido à pressão sobre os resultados ou modelos de negócios.

Reinhard Krause/Reuters

Há mais um alerta ao impacto da política de taxas de juro baixas na saúde dos bancos. Desta vez é da Fitch, depois de hoje de manhã ter sido a Moody´s e de ontem ter sido o Banco de Portugal.

Num research intitulado “Economia sombria e taxas de juro baixas pressionam os bancos da Europa Ocidental”, a Fitch, que anuncia a perspectivas dos ratings para 2020, diz que “as perspectivas gerais para os bancos da Europa Ocidental em 2020 são negativas, pois a geração de receita provavelmente será pressionada pelo fraco crescimento do PIB e pelas baixas taxas de juros”.

“Esperamos que as perdas na carteira de crédito aumentem a partir dos seus níveis ciclicamente baixos, e os bancos com normas de concessão de crédito mais fracas e maior dependência da receita financeira líquida poderão enfrentar uma pressão significativa sobre os lucros. No entanto, muitos bancos poderão suportar os ganhos com mais cortes de custos”, diz a Fitch.

“Não esperamos um aumento acentuado do crédito vencido (NPL), uma vez que o desemprego permanece baixo e as contínuas taxas de juros baixas devem ajudar os mutuários a pagar suas dívidas. Esperamos que os bancos no sul da Europa continuem reduzindo seus elevados níveis de stock de malparado através de alienações de carteiras, uma vez que as baixas taxas de juros devem ajudar a fomentar a procura dos investidores”, diz a agência.

Na zona euro, a Fitch alterou a perspectiva de evolução dos ratings para o setor bancário alemão de estável para negativa, “pois não esperamos que os resultados operacionais, persistentemente fracos dos bancos, melhorem significativamente, o que torna o setor mais vulnerável do que a maioria dos seus pares do norte da Europa, ao ambiente operacional que está em deterioração. Esperamos que a economia alemã cresça apenas 0,9% em 2020, graças às incertezas comerciais globais, tornando mais difícil para os bancos alemães manterem o crescimento robusto do crédito que os ajudou a conter a erosão das margens nos últimos dois anos”, lê-se na nota.

A Fitch reviu também a perspectiva para o setor bancário italiano de estável, onde estava desde 2017, para negativa, “pois esperamos que o desempenho dos bancos italianos tenha estabilizado. A pressão sobre a receita proveniente das baixas taxas de juros e da fraca procura por crédito a grandes empresas e a PME domésticas persistirá, mas uma qualidade mais forte dos ativos, independentemente da falta de crescimento económico, e uma cobertura mais forte do malparado devem ajudar a manter sob controle as  imparidades para crédito” e assim sustentar a conta de resultados em terreno positivo.

As perspectivas negativas para os ratings de vários bancos italianos refletem a perspectiva negativa para o rating soberano italiano, recorda a Fitch.

Já as perspectivas do setor para o Reino Unido permanecem negativas, já que os bancos enfrentam incertezas significativas em 2020 devido ao Brexit e às prováveis ​​mudanças na política económica e fiscal após as eleições de dezembro de 2019.

“Os riscos do Brexit e da disputa comercial EUA-China permanecem materiais e podem pesar nas economias europeias, pressionando os setores bancários. Quase todos os ratings dos bancos britânicos estão em Rating Watch Negative, refletindo o risco de um Brexit sem acordo atrapalhar significativamente a economia britânica. Mesmo se o Reino Unido concordar com um acordo de retirada da UE em janeiro de 2020, um “cliff edge risk” ainda é possível até que seja alcançado um acordo comercial final.

No que toca à Grécia, a perspectiva positiva para o setor bancário grego reflete a expectativa da Fitch de que os perfis de crédito dos bancos, embora ainda muito fracos, melhorem ainda mais em 2020, à medida que a redução da carteira de malparado continua.

“As perspectivas do setor bancário dos outros países são estáveis, refletindo geralmente a natureza concentrada de seus sistemas bancários. Os bancos em setores concentrados tendem a ser mais resilientes, pois geralmente beneficiam de posições mais fortes no mercado e de um mix de negócios mais diversificado”, defende a Fitch.

Além do Reino Unido e da Itália, a maioria dos ratings dos bancos da Europa Ocidental está no Stable Outlook, e quaisquer Perspectivas Negativas refletem principalmente um maior risco para os ratings devido à pressão sobre os resultados ou modelos de negócios.

Ler mais
Recomendadas

BCP aceita acordo para reduzir dívida do Sporting mas falta o Novo Banco

O prazo para o entendimento entre a SAD e os bancos terminou esta semana, mas só o Millennium bcp deu ‘ok’ à reestruturação da dívida bancária.

Banco de Portugal adopta ‘energia verde’ nos seus edifícios

“A transição para a nova forma de consumo de energia deverá estar concluída ainda durante o primeiro trimestre deste ano. Com esta medida, o Banco tem como objetivo reduzir a sua pegada de carbono”, explica a instituição

BCE pede aos bancos que evitem “distorcer” resultados de testes de stress

A cada dois anos, a Autoridade Bancária Europeia e o BCE realizam os chamados testes de stress a 50 bancos da União Europeia para medir a força das entidades bancárias em diferentes cenários de stress, como uma crise, por exemplo.
Comentários