Fitch vê economia mundial a estabilizar no próximo ano, com aumento dos serviços e consumo

O relatório da agência realça que o setor dos serviços representa 70% do PIB nas economias avançadas e que o crescimento tem sido mais estável nos últimos 18 meses do que na indústria.

O crescimento do serviços e o consumo das famílias vão contribuir para a estabilização da economia mundial no próximo ano, depois de uma queda em 2019, segundo a Fitch, no “Global Economic Outlook”, publicado esta quinta-feira.

“Existem poucos sinais de qualquer recuperação iminente na produção global, mas o setor dos serviços desempenha um papel muito maior, particularmente nas economias avançadas. Desde que a desaceleração da indústria não se intensifique, a imagem mais estável dos serviços deve ajudar ao crescimento global no próximo ano”, explica Brian Coulton, economista-chefe da Fitch Ratings.

O relatório da agência realça que o setor dos serviços representa 70% do PIB nas economias avançadas e que o crescimento tem sido mais estável nos últimos 18 meses do que na indústria. “O crescimento do protecionismo do comércio e da crescente incerteza da política comercial sobre o investimento das empresas têm afetado muito mais a indústria do que os serviços nas economias avançadas, assim como a desaceleração nos mercados emergentes”, destaca.

A atividade do setor de serviços é muito mais sensível ao consumo, que não diminuiu nos Estados Unidos nos últimos anos e recentemente aumentou ligeiramente na zona euro, justificam.

A Fitch mantém as projeções de crescimento da economia inalteradas face ao relatório de setembro e vê uma expansão do PIB mundial de 2,5% no próximo ano e 2,7% em 2021. Já para a zona euro projeta um crescimento de 1,1% em 2020 e de 1,2% em 2021, enquanto a economia norte-americana deverá crescer 1,7% nos dois anos.

“A flexibilização da política monetária global aumentou e intensificou-se nos últimos meses, mas não esperamos mais cortes na taxa de juros por parte da Fed. Também duvidamos que a recente flexibilização monetária generalizada indique uma recuperação no crescimento global”, justifica Brian Coulton.

Ler mais

Recomendadas

Da Irlanda para a Europa: Paschal Donoe sucede a Centeno na presidência do Eurogrupo

Paschal Donoe é o quarto presidente do Eurogrupo depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker (2005-2013), do holandês Jeroen Dijsselbloem (2013-2018) e o português Mário Centeno (2018-2020).

PIB português deve cair 5,6% em 2020. Mas Bankinter diz que há “alta” probabilidade para tombar 8,5%

O banco espanhol mantém uma queda de 5,6% do PIB português este ano como cenário base. No entanto, devido “elevado grau de incerteza”, existe uma probabilidade “relativamente alta” de o cenário pessimista vir a materializar-se e que corresponde a uma queda de 8,5% do PIB.

Paschal Donohoe leva a melhor perante Nadia Calviño e é eleito presidente do Eurogrupo

Mário Centeno passa a pasta ao irlandês, que assume funções na segunda-feira, mas a primeira reunião sob a sua presidência apenas terá lugar em setembro. A eleição desta quinta-feira decorreu de forma eletrónica e secreta. No final da reunião, o ministro das Finanças de Malta agradeceu em nome do grupo o trabalho do ex-homólogo português ao longo dos últimos dois anos e meio.
Comentários