Lucros da Flexdeal recuam 77% para 204,5 mil euros

A primeira e única sociedade de investimento para o fomento da economia em Portugal sublinha a trajetória positiva destes últimos três anos, mostrando-se confiante num crescimento e consolidação futuros.

Os lucros da Flexdeal caíram 77%, para 204,5 mil euros, no ano passado, informou esta sexta-feira a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), sobre o período de 1 de outubro de 2019 a 30 de setembro de 2020.

Em comunicado, a Flexdeal destaca o crescimento no triénio 2017-2020, reportando ter faturado 2,42 milhões de euros nos três primeiros trimestres de 2020, ano em que conseguiu reforçar os seus capitais próprios, que atingem agora os 19 milhões de euros. Segundo o comunicado da empresa desta sexta-feira, este resultado compara com 2,4 milhões de receita no ano anterior.

A sociedade, que, conforme lembra a nota, é a primeira e única de investimento para o fomento da economia em Portugal, destaca os resultados no triénio de 2017 a 2020 que espelham o crescimento da sua operação e permitiram um reforço dos capitais próprios e do investimento, que aumentou de 12,1 milhões de euros para 15,1 milhões de euros no período.

Simultaneamente, também o número de empresas participadas cresceu, passando de 27 para 36 no triénio em questão.

“A Flexdeal pode e quer continuar a assumir um papel de relevo e contribuir para o suporte e o crescimento do tecido empresarial português. Estamos a investir de forma ativa e empenhada, plenamente confiantes na capacidade de resiliência e recuperação da economia portuguesa”, adianta Alberto Amaral, diretor executivo da empresa.

O comunicado destaca ainda a compra de 950 mil ações da Raize, o equivalente a 19% do capital desta, na sequência de uma oferta pública de aquisição (OPA), uma operação que não está incluída nos resultados agora anunciados.

“Com as nossas ofertas de financiamento inovadoras, e com a capacidade de consolidação, a gestão prudente e avisada, a solvabilidade e a rentabilidade de que os nossos indicadores dão provas – sobretudo em tempos como os que vivemos – continuamos a entregar resultados aos nossos acionistas, ao mesmo tempo que somos parte da solução para o crescimento das empresas portuguesas”, conclui Alberto Amaral.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Sines vai arrancar com Data Centre Campus, um investimento que pode chegar a 3,5 mil milhões

A cerimónia de apresentação do projeto, que pode criar até 1.200 empregos qualificados e é da responsabilidade da empresa star campus, será encerrada pelo primeiro-ministro, António Costa.
Comentários