PremiumFlorêncio Almeida lidera ANTRAL até 2022

Apesar de ter 75 anos, o “histórico” do setor do táxi quer continuar à frente da associação que lidera desde 2001. A inauguração do edífico da Fundação ANTRAL no próximo ano foi um dos principais motivos para se recandidar.

O histórico presidente da Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), Florêncio Almeida, encabeça a única lista que vai apresentar-se para a eleição dos órgãos sociais da associação mais representativa do setor do táxi, na próxima quinta-feira, 14 de novembro. Florêncio Almeida, de 75 anos, vai assim permanecer na presidência da Antral até 2022.

“Naturalmente que com a minha idade era para não me recandidatar. O motivo da minha recandidatura tem a ver com um projeto que inicei em 2013, que achava estar concluído no final deste ano, que é o edifício da Fundação Antral – mas as obras atrasaram. Foi este um dos principais motivos que me levaram à recandidatura”, disse Florêncio Almeida ao Jornal Económico.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.
Comentários