FMI: distribuição desigual da vacina pode criar instabilidade em economias emergentes

“A aquisição de doses de vacina para economias de mercados emergentes e em desenvolvimento por meio de negociação direta ou através do pilar multilateral COVAX está significativamente atrasada”, avisou a instituição liderada por Kristalina Georgieva.

A distribuição da vacina para a Covid-19 a nível global irá ser desigual, atrasando dessa forma a recuperação económica e exacerbando as vulnerabilidades em várias economias emergentes, em alguns casos podendo até ameaçar a estabilidade financeira, alertou esta quarta-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Um atraso na recuperação exigiria acomodação [moentária] prolongada, aumentando ainda mais as vulnerabilidades financeiras”, referiu o FMI, no Global Financial Stability Update. “A distribuição desigual das vacinas e uma recuperação assíncrona podem colocar em risco os fluxos de capital para as economias dos mercados emergentes, especialmente se as economias avançadas começarem a normalizar as políticas, e alguns países podem enfrentar desafios assustadores”.

Segundo o FMI, uma correção nos preços dos ativos, caso os investidores reavaliem de forma repentina as perspetivas de crescimento ou o outlook das políticas, pode interagir com maiores vulnerabilidades , criando efeitos colaterais na confiança e comprometendo a estabilidade macrofinanceira.

A instituição liderada por Kristalina Georgieva acredita que o acesso à vacina deverá continuar desequilibrado durante algum tempo, recordando que as economias desenvolvidas como o Canadá, alguns países da União Europeia, o Reino Unido e os Estados Unidos pré-compraram vacinas com cobertura alargada per capita.

“Em contraste, a aquisição de doses de vacina para economias de mercados emergentes e em desenvolvimento por meio de negociação direta ou através do pilar multilateral COVAX  está significativamente atrasada”, sublinhou o FMI. “A necessidade de acesso às vacinas é particularmente urgente em países onde o número de casos acelerou recentemente ou permanece muito alto”.

A instituição de Bretton Woods recordou que dado que as economias de mercados emergentes foram responsáveis por cerca de 65% do crescimento global, ou cerca de 40% excluindo a China, entre 2017 e 2019, os atrasos no combate à pandemia nesses países pode ser um mau presságio para a economia global.

Interrupções na cadeia de fornecimento  podem afetar a rentabilidade corporativa mesmo em regiões onde a pandemia está sob controle, alertou.

“E porque o crescimento é um ingrediente crucial para estabilidade financeira, uma recuperação desigual e parcial riscos de prejudicar a saúde do sistema financeiro”, adiantou.

Efeito vacina. FMI vê economia mundial a crescer 5,5% e a da zona euro 4,2% este ano

 

 

 

Ler mais

Relacionadas

A receita do FMI para uma recuperação económica em força

O fundo reconhece o impacto desproporcional da pandemia, pedindo por isso apoios que minimizem o agravamento das desigualdades, ao mesmo tempo que sublinha a importância de processos eficientes e expeditos de insolvência de forma a não entupir o sistema financeiro com o aumento esperado das falências quando forem levantadas as moratórias de crédito.

A reunião da Fed, as contas das ‘tech’ e a visão do FMI. Veja o “Mercados em Ação”

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

Efeito vacina. FMI vê economia mundial a crescer 5,5% e a da zona euro 4,2% este ano

Fundo Monetário Internacional espera que o abrandamento do crescimento da economia no início do ano, seja seguido por um ímpeto, alimentado pelo início do impacto do processo de vacinação, bem como pelo apoio orçamental adicional em algumas das grandes economias. Para a zona euro, projeta uma expansão de 4,2% este ano e 3,6% em 2022.
Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.

PremiumEconomistas alertam para risco de crise financeira

O volume moratórias de crédito quando comparado com o resto da Europa deixa antecipar fortes impactos na banca no pós-Covid.

PremiumUnião Europeia não pode continuar “em velocidade lenta”

O painel do Observatório “A Recuperação Económica depois da Covid-19” sobre ‘O papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global’ foi unânime em considerar que a UE deu, no contexto de combate à pandemia, mais uma prova da sua endémica lentidão.
Comentários