FMI mais pessimista que Governo piora previsão do défice para 0,6% em 2019

No ‘Fiscal Monitor’ de outubro, o FMI previa um défice de 0,3% do PIB em 2019, estimativa que depois piorou em novembro, para 0,4%. Para 2020, o Fundo antecipa agora um défice orçamental de 0,1% do PIB (contra 0,2% em outubro).

O Fundo Monetário Internacional agravou a estimativa do défice português para 0,6% do PIB este ano, pior que os 0,2% previstos pelo Governo, mas antecipa agora que o primeiro excedente se registe um ano mais cedo, em 2021.

De acordo com o ‘Fiscal Monitor’, relatório com as previsões orçamentais mundiais, hoje divulgado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) piorou a previsão para o défice português este ano para 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB), uma deterioração de 0,2 pontos percentuais (p.p.) face à estimativa de novembro, de 0,4% do PIB, no âmbito da sétima avaliação pós-programa, e também acima da estimativa de 0,2% do Governo para o défice este ano.

No ‘Fiscal Monitor’ de outubro, o FMI previa um défice de 0,3% do PIB em 2019, estimativa que depois piorou em novembro, para 0,4%.

Para 2020, o Fundo antecipa agora um défice orçamental de 0,1% do PIB (contra 0,2% em outubro).

O FMI, que tem como base um cenário de políticas invariantes para os próximos anos, acredita que o primeiro excedente, de 0,4% do PIB, aconteça em 2021, um ano mais cedo face às previsões de outubro, quando antevia que o primeiro excedente, de 0,2% do PIB, se registasse apenas em 2022.

Para 2022, o FMI antecipou hoje que o excedente desça 0,1 p.p. para 0,3%, mantendo-se nesse valor em 2023 e recuperando depois para 0,5% do PIB em 2024.

De acordo com os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o défice ficou em 0,5% do PIB em 2018, o melhor resultado em democracia e abaixo da previsão de 0,6% indicada em fevereiro pelo ministro das Finanças, Mário Centeno.

Em 2017, Portugal registou um défice de 3%.

Segundo as previsões do FMI hoje divulgadas, o saldo primário, que exclui os encargos com a dívida pública, vai fixar-se em 2,5% em 2019, abaixo dos 2,9% estimados em outubro, subindo para valores acima dos 3% a partir de 2020 (3,1%) e até 2024.

As projeções referentes a Portugal, que são coordenadas pelo ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar, agora diretor do FMI, baseiam-se no Orçamento do Estado para 2018 e foram “ajustadas para refletir as previsões macroeconómicas” do Fundo.

Relacionadas

FMI alerta para excesso de dívida pública no balanço dos bancos portugueses

O alerta foi dado num relatório do FMI intitulado “Global Financial Stability Report: Vulnerabilities in a Maturing Credit Cycle”. O peso da dívida pública no total dos ativos dos bancos portugueses ronda os 9% e tem vindo a subir mais ou menos desde 2015. O Banco de Portugal também já tinha alertado que “num contexto de incerteza geopolítica e de potencial reavaliação dos prémios de risco, esta exposição representa uma vulnerabilidade para o sistema bancário português”.

Brexit: FMI prevê tombo de 1,4% na economia britânica em caso de não-acordo

A organização liderada por Christine Lagarde prevê também uma subida nos spreads soberanos do Reino Unido, que se pode arrastar aos restantes Estados-membros da UE.

Na ressaca do arrefecimento económico de 2018, zona euro deverá crescer 1,3% este ano

Fundo Monetário Internacional reviu em baixa as estimativas de crescimento económico na zona euro este ano ano. No “World Economic Outlook”, a instituição liderada por Christine Lagarde antecipa que o PIB alemão cresça apenas 0,8%, mas a menor expansão deverá ser registada em Itália: 0,1%.

FMI corta previsões de crescimento da economia mundial para 3,3% este ano

Fundo Monetário Internacional realça o abrandamento da economia mundial na segunda metade do ano passado. Instituição liderada por Christine Lagarde destaca os efeitos da guerra comercial entre os EUA e a China e a maior incerteza política em algumas economias.
Recomendadas

Museus e monumentos nacionais perderam 68,7% de visitantes no primeiro semestre

A descida, segundo a DGPC, revela a dimensão do impacto da pandemia de covid-19 no país, já que, entre 01 de janeiro e 13 de março de 2020, o número de entradas registadas deu-se ainda num quadro de livre circulação de visitantes portugueses e estrangeiros.

Tempo médio de atribuição de pensões pela CGA diminuiu mas continua sem cumprir lei

No global, quase metade das pensões de reforma (46%) foram atribuídas num período superior a 120 dias. Ao longo do triénio 2017-2019, o TdC revela que foram adotadas “várias iniciativas de melhoria do serviço prestado e diminuição dos tempos médios na atribuição de pensões”, em concreto no que toca aos sistemas de informação, automatização de processos e priorização das áreas de atuação.

Jerónimo Martins aumenta vendas no primeiro semestre em 6,3%, para 9,9 mil milhões de euros

O EBITDA consolidado do grupo retalhista nacional cresceu 12,6% na primeira metade deste ano
Comentários