FMI projeta défice português de 5% do PIB este ano, seguido de queda para 1,9% em 2022

O Fundo Monetário Internacional vê Portugal a regressar aos excedentes orçamentais em 2024. Projeções do FMI apontam para peso da dívida pública de 131,4% face ao PIB este ano.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta que Portugal atinja um défice de 5% do PIB este ano, acima dos 2,7% do PIB previstos em outubro. A instituição de Bretton Woods vê ainda Portugal a cumprir as regras de disciplina orçamental de Bruxelas caso estivessem ativas já em 2022, já que prevê um défice de 1,9% do PIB para o próximo ano.

Os dados constam da base de dados do FMI, atualizada esta terça-feira à tarde, que revelam também um ligeiro pessimismo para o próximo ano face a outubro, quando projetava que o saldo orçamental português atingisse 1,6% em 2022.

Apesar de ainda esperar défice em 2023 (-1,38%), a instituição presidida por Kristalina Georgieva vê Portugal a regressar aos excedentes em 2024. Segundo as estimativas, nesse ano, Portugal deverá ter um saldo orçamental positivo de 0,52% do PIB, que deverá diminuir para 0,28% em 2025.

Relativamente ao peso da dívida pública, projeta que esta atinja 131,4% do PIB este ano, caindo para 125,6% em 2022, continuando a trajetória descendente, regressando aos níveis pré-pandemia em 2024, quando deverá atingir 117,6%.

Esta quarta-feira, o FMI publica o “Fiscal Monitor”, no qual analisa o cenário orçamental a nível mundial e as políticas adoptadas pelos países.

Relacionadas

Bancos com maior peso das moratórias poderão ter de constituir mais imparidades, antecipa FMI

No terceiro trimestre de 2020, em alguns países, os créditos em moratória representam mais de 10% do total da carteira. Aqui está incluído Portugal que surge em terceiro lugar num conjunto de 28 países. Nos países mais afetados, o fim das moratórias de empréstimos poderá reduzir o rácio de capital médio do sistema em quase 100 pontos base, diz o FMI.

FMI diz que aposta excessiva em ativos de risco é tema de preocupação nos mercados

A organização liderada por Kristalina Georgieva alertou ainda que a volatilidade provocada pelo fenómeno GameStop realçou o papel dos investidores de retalho no ‘rally’ das bolsas e que as perdas do ‘family office’ Archegos Capital “levantaram questões sobre o uso de alavancagem financeira opaca e as possíveis implicações sistémicas”.

FMI corta crescimento da economia portuguesa para 3,9% este ano, abaixo da média da zona euro (com áudio)

As projeções do FMI colocam o PIB português a crescer abaixo da zona euro este ano, num cenário que se inverte em 2022, com a economia portuguesa a recuperar 4,8%. Instituição presidida por Kristalina Georgieva vê taxa de desemprego em Portugal a subir para 7,7%.

FMI vê economia mundial a crescer 6% este ano, mas alerta para divergências nas velocidades de recuperação

O Fundo Monetário Internacional melhorou as projeções económicas para este ano e 2022 face a outubro. O ritmo de implementação do processo de vacinação, extensão do apoio à política económica e factores estruturais, como a dependência do turismo, provocam divergências no ritmo de recuperação.
Recomendadas

Covid-19: Mais de 530 mil pessoas vacinadas na região Centro

João Paulo Rebelo falava no âmbito de uma visita que realizou aos concelhos do Fundão e da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e que também contou com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, e da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira.

“Governo beneficia casinos mas esquece os trabalhadores”, diz federação intersindical

A Federação intersindical do setor do turismo exige medidas de apoio aos trabalhadores dos casinos, depois do Executivo ter decidido isentar estes estabelecimentos do pagamento do imposto de jogo e prolongado as concessões dos casinos de Lisboa, Estoril e Figueira da Foz, que terminaram a 31 de dezembro de 2020. FESAHT acusa o Governo: “aos patrões do jogo dá tudo, tudo, aos trabalhadores dá nada, nada”.

EUA: Produção industrial sobe pelo segundo mês seguido, apesar de constrangimentos no sector automóvel

A indústria norte-americana beneficiou com a reabertura de várias fábricas dos estados do sul afetados pela tempestade de fevereiro, mas a indústria automóvel penalizou o resultado final, com uma queda de 4,3% na produção a refletir as dificuldades causadas pelos atrasos no fornecimento de chips.
Comentários