FMI recomenda “donativos e crédito altamente concessional” a Moçambique

“A missão sublinhou a importância de o Governo se apoiar em financiamento externo por donativos e crédito altamente concessional”, refere a organização internacional.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) recomenda que o financiamento externo de Moçambique se baseie em donativos e crédito com custos muito baixos, lê-se no comunicado final da missão que nas últimas semanas visitou o país.

“A missão sublinhou a importância de o Governo se apoiar em financiamento externo por donativos e crédito altamente concessional”, refere a organização internacional, numa altura em que o país tenta recuperar a sustentabilidade da dívida.

Ricardo Velloso, líder da missão, destaca “a importância de se assegurar que possíveis acordos futuros com detentores das dívidas anteriormente ocultas sejam coerentes com o retorno da dívida global do país a uma trajetória sustentável”.

A observação surge depois de Moçambique anunciar (no início do mês) um acordo preliminar com portadores de 725 milhões de dólares títulos da dívida (‘eurobonds’) e de continuar a negociar com os credores da dívida sindicada, no valor de cerca de 1,4 mil milhões de dólares.

O total – cerca de dois mil milhões de dólares – corresponde às dívidas não declaradas contraídas pelo Estado em 2013 e 2014 e que continuam sob investigação.

Diversos analistas têm admitido à Lusa que o FMI estará a preparar terreno para retomar os programas de apoio financeiro a Moçambique, desde que os acordos regularizem os indicadores de sustentabilidade da dívida do país, mas o fundo não comenta essa hipótese.

A missão diz ter notado “esforços contínuos da Procuradoria-Geral da República, em cooperação com os parceiros de desenvolvimento, para trazer responsabilização relativamente à questão das dívidas anteriormente ocultas, e encorajou todas as partes envolvidas a prosseguirem esses esforços”.

Noutros pontos, o comunicado distribuído na noite de quarta-feira segue a linha de recomendações divulgadas um dia antes numa conferência do FMI em Maputo.

Ou seja, admite que o Produto Interno Bruto (PIB) possa crescer até 4,7% em 2019, desde que haja consolidação da paz, pagamentos de dívidas do Estado a fornecedores e efetivação de investimento externo, nomeadamente nos projetos de gás natural no norte do país.

A missão reitera a necessidade de “prudência orçamental” antes das eleições gerais de outubro de 2019, “mantendo o défice fiscal primário em, ou abaixo de, 1,5% do PIB”, ou seja, o mesmo valor previsto para 2018.

Ler mais
Relacionadas

Acordo com credores coloca Moçambique mais perto da ajuda do FMI, diz Moody’s

A analista da agência de notação financeira Moody’s que segue a economia de Moçambique considerou este sábado, em entrevista à Lusa, que o acordo preliminar com os credores da dívida torna mais provável o apoio financeiro do FMI.

Acordo com credores não melhora o rácio da dívida de Moçambique

O economista-chefe da Capital Economics para os mercados emergentes considerou hoje que o acordo de Moçambique com os credores é um passo no bom caminho, mas vincou que é preciso mais para melhorar o rácio da dívida.

Banco Mundial prevê que Moçambique cresça 3,3% (menos que governo e FMI)

“Espera-se que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de Moçambique atinja em 2018 uma taxa ligeiramente inferior de 3,3%”, relativamente a 3,7% de 2017 e 3,8% em 2016, refere o documento Atualidade da Economia Moçambicana, apresentado hoje na capital.
Recomendadas

Vieira da Silva: Atrasos nas pensões serão resolvidos “nos próximos meses”

O governante falava aos jornalistas à margem da cerimónia de lançamento da nova aplicação móvel da Segurança Social Direta, no Instituto de Informática, em Oeiras.

Simulador de pensões na função pública estará pronto no início de 2019

“Estamos a finalizar” o simulador de pensões da Caixa Geral de Aposentações, disse Vieira da Silva,

Angola produziu 1,521 milhões de barris de petróleo por dia em novembro

Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.
Comentários