FMI recomenda “donativos e crédito altamente concessional” a Moçambique

“A missão sublinhou a importância de o Governo se apoiar em financiamento externo por donativos e crédito altamente concessional”, refere a organização internacional.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) recomenda que o financiamento externo de Moçambique se baseie em donativos e crédito com custos muito baixos, lê-se no comunicado final da missão que nas últimas semanas visitou o país.

“A missão sublinhou a importância de o Governo se apoiar em financiamento externo por donativos e crédito altamente concessional”, refere a organização internacional, numa altura em que o país tenta recuperar a sustentabilidade da dívida.

Ricardo Velloso, líder da missão, destaca “a importância de se assegurar que possíveis acordos futuros com detentores das dívidas anteriormente ocultas sejam coerentes com o retorno da dívida global do país a uma trajetória sustentável”.

A observação surge depois de Moçambique anunciar (no início do mês) um acordo preliminar com portadores de 725 milhões de dólares títulos da dívida (‘eurobonds’) e de continuar a negociar com os credores da dívida sindicada, no valor de cerca de 1,4 mil milhões de dólares.

O total – cerca de dois mil milhões de dólares – corresponde às dívidas não declaradas contraídas pelo Estado em 2013 e 2014 e que continuam sob investigação.

Diversos analistas têm admitido à Lusa que o FMI estará a preparar terreno para retomar os programas de apoio financeiro a Moçambique, desde que os acordos regularizem os indicadores de sustentabilidade da dívida do país, mas o fundo não comenta essa hipótese.

A missão diz ter notado “esforços contínuos da Procuradoria-Geral da República, em cooperação com os parceiros de desenvolvimento, para trazer responsabilização relativamente à questão das dívidas anteriormente ocultas, e encorajou todas as partes envolvidas a prosseguirem esses esforços”.

Noutros pontos, o comunicado distribuído na noite de quarta-feira segue a linha de recomendações divulgadas um dia antes numa conferência do FMI em Maputo.

Ou seja, admite que o Produto Interno Bruto (PIB) possa crescer até 4,7% em 2019, desde que haja consolidação da paz, pagamentos de dívidas do Estado a fornecedores e efetivação de investimento externo, nomeadamente nos projetos de gás natural no norte do país.

A missão reitera a necessidade de “prudência orçamental” antes das eleições gerais de outubro de 2019, “mantendo o défice fiscal primário em, ou abaixo de, 1,5% do PIB”, ou seja, o mesmo valor previsto para 2018.

Ler mais
Relacionadas

Acordo com credores coloca Moçambique mais perto da ajuda do FMI, diz Moody’s

A analista da agência de notação financeira Moody’s que segue a economia de Moçambique considerou este sábado, em entrevista à Lusa, que o acordo preliminar com os credores da dívida torna mais provável o apoio financeiro do FMI.

Acordo com credores não melhora o rácio da dívida de Moçambique

O economista-chefe da Capital Economics para os mercados emergentes considerou hoje que o acordo de Moçambique com os credores é um passo no bom caminho, mas vincou que é preciso mais para melhorar o rácio da dívida.

Banco Mundial prevê que Moçambique cresça 3,3% (menos que governo e FMI)

“Espera-se que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de Moçambique atinja em 2018 uma taxa ligeiramente inferior de 3,3%”, relativamente a 3,7% de 2017 e 3,8% em 2016, refere o documento Atualidade da Economia Moçambicana, apresentado hoje na capital.
Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários