FMI vai rever em baixa as previsões para a economia mundial

Nova presidente do Fundo Monetário Internacional alertou para o impacto das tensões comerciais na economia mundial e na receita prescrita deixou um apelo: “é preciso que a política orçamental” também faça o seu papel.

O abrandamento económico a nível global irá levar o Fundo Monetário Internacional (FMI) a rever em baixa as projecções para 2019 e 2020, no World Economic Outlook, que será divulgado na próxima semana. A informação foi avançada esta terça-feira por Kristalina Georgieva, no primeiro discurso como directora da instituição, em Washington DC.

“Os números principais reflectem uma situação complexa”, admitiu a sucessora de Christine Lagarde, que admite que a expansão económica mundial deverá cair para a taxa mais baixa desde o início da década.

Kristalina Georgieva justificou que “nos Estados Unidos e na Alemanha, o desemprego está em mínimos históricos”, mas que “no entanto, nas economias avançadas, incluindo nos EUA, Japão e especialmente na zona euro, há um abrandamento da atividade económica”, apontando que “em algumas das maiores economias dos mercados emergentes, como a Índia e o Brasil, a desaceleração é ainda mais acentuada este ano” e que o crescimento chinês tem vindo a cair.

No último relatório, em julho ,a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, as tensões tecnológicas e a incerteza prolongada em torno do Brexit levaram o FMl a cortar ligeiramente as projeções de crescimento da economia mundial para 3,2% este ano e 3,5% em 2020.

A líder do FMI destacou esta terça-feira que se há dois anos a economia global vivia uma “retoma sincronizada” – com medida pelo PIB, cerca de 75% do mundo estava em aceleração -, o abrandamento ainda é o novo contexto da economia mundial.

“Em 2019, esperamos um crescimento mais lento em cerca de 90% do mundo”, realçou.

A búlgara que iniciou funções a 1 de outubro, alertou para as múltiplas “fracturas” que estão a provocar o abrandamento económico, nomeadamente as disputas comerciais. “Em parte devido às tensões comerciais, a atividade industrial mundial e o investimento têm enfraquecido substancialmente. Há o sério risco que os serviços e o consumo possam em breve ser afectados”, explicou.

“A incerteza – impulsionada pelo comércio, mas também pelo Brexit e pelas tensões geopolíticas – está a atrasar o potencial da economia”, sublinhou.

As receitas de Georgieva para enfrentar o abrandamento

À semelhança de Mário Draghi que pediu aos países da zona euro para responderem aos ventos de abrandamento através da política orçamental, a líder do FMI prescreve a mesma receita.”Se a economia global desacelerar mais acentuadamente do que o esperado, uma resposta orçamental coordenada poderá ser necessário”, referiu.

Citando Shakespeare – “melhor três horas mais demasiado cedo, do que um minuto tarde demais”-, Kristalina Georgieva apelou a uma resposta coordenada para antecipar o impacto do abrandamento.

“As políticas monetárias e financeiras não podem fazer o trabalho sozinhas. A política orçamental deve desempenhar o seu papel”, afirmou.

Numa altura em que a política monetária tem centrado atenções, a sucessora de Lagarde deixou ainda um recado sobre a importância da independência dos bancos centrais, sublinhando que esta constitui “um alicerce sólido” da política monetária.

Georgieva refere ainda que além de deverem comunicar o que pretendem fazer com clareza, os bancos centrais devem manter “onde for apropriado” as taxas de juro baixas, nomeadamente se a inflação continuar abaixo da meta e o crescimento fraco. Reconheceu, no entanto, que em vários países as taxas de juro já permanecem muito baixas ou negativas o que diminui o leque de instrumentos disponíveis para estimular a economia.

“Baixas taxas de juro de forma prolongada traz efeitos do lado negativo e consequências não intencionais”, reconheceu.

Ler mais
Recomendadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, o peso da relação económica e geopolítica continua a pesar mais.

Novos sinais de trânsito chegam às estradas portuguesas em abril de 2020

Alterações ao regulamento de sinalização de trânsito, hoje publicadas em Diário da República, indicam que a partir de 1 de abril de 2020 não podem ser colocados sinais novos que não estejam de acordo com as normas agora aprovadas.

Redução do malparado poderia aumentar PIB per capita em 12 pontos percentuais em dez anos

Estudo estima que alterações ao nível da qualidade da regulação também permitiriam que Portugal tivesse um maior crescimento económico, de mais de sete p.p. em dez anos, enquanto alterações no sistema legal e combate à corrupção poderiam contribuir para um aumento de mais de três p.p. do PIB per capita ao fim de dez anos.
Comentários