“Foi no CDS-PP que conheci o pior da sociedade”. Ex-candidato à liderança do partido anuncia desfiliação

Sem esclarecer os motivos que levaram à saída do CDS-PP, ao fim de quase 20 anos de militância, Carlos Meira diz que foi entre os democratas-cristãos que conheceu “o pior da sociedade e da natureza humana”, mas garante que nunca conseguiram “calar” a sua voz.

Paulo Novais/LUSA

O militante democrata-cristão Carlos Meira, que se candidatou à presidência do CDS-PP no Congresso de janeiro, anunciou esta terça-feira a desfiliação do partido. Sem esclarecer os motivos que levaram à sua saída do CDS-PP ao fim de quase 20 anos de militância, Carlos Meira diz que foi entre os democratas-cristãos que conheceu “o pior da sociedade e da natureza humana”, mas garante que nunca o conseguiram “calar”.

“Hoje encerro um ciclo. Desfiliei-me do CDS e afasto-me da política partidária”, escreveu Carlos Meira, numa publicação na sua página de Facebook. “A participação cívica, felizmente, não se esgota nos partidos políticos, penso que cada vez mais será esse o caminho”, acrescenta.

O ex-presidente da concelhia do CDS-PP de Viana do Castelo explica, na mesma publicação, que o CDS-PP foi “uma casa”, onde conheceu “pessoas fabulosas” e amigos que leva “para a vida”, e que os quase 20 anos de atividade política, foram “uma enorme e profunda aprendizagem”, mas não esclarece o que levou à rutura com o partido liderado por Francisco Rodrigues dos Santos.

“Numa época em que qualquer um escreve livros, eu não vou escrever um livro, mas quem sabe se um dia não ‘abrirei o livro’ infelizmente foi também na política partidária e no CDS que conheci o pior da sociedade, o pior da natureza humana”, salienta o militante de Viana do Castelo.

Garante ainda que nunca quis fazer da política carreira. “Nunca quis e nunca fiz da política forma de viver e de sobreviver, nunca me conseguiram comprar, nunca conseguiram calar a minha voz, sobretudo em defesa da cidade que amo, Viana do Castelo”, refere.

Natural de Viana do Castelo e militante do CDS-PP desde os 19 anos, o ex-presidente da concelhia do CDS-PP de Viana do Castelo notabilizou-se por, no Congresso de 2018, ter tecido duras críticas à direção de Assunção Cristas, que acusou de “não respeitar as bases do partido”. Candidatou-se à liderança do CDS-PP, em janeiro, para dar voz aos militantes “oprimidos por um centralismo serôdio e bacoco que abunda em Portugal”.

Acabou por desistir da corrida à presidência do CDS-PP, sem declarar qualquer apoio aos restantes candidatos (Francisco Rodrigues dos Santos, João Almeida e Filipe Lobo d’Ávila). “Este é um dos momentos mais importantes do nosso partido. A única coisa que peço a todos é união e mostrarmos ao país, amanhã, que somos um grande partido e grandes bases para o futuro de Portugal”, declarou, na altura, Carlos Meira.

Hoje encerro um ciclo.Desfiliei-me do CDS e afasto-me da política partidária.O CDS foi uma casa onde conheci pessoas…

Posted by Carlos Meira on Tuesday, 29 September 2020

Ler mais
Recomendadas

PAN: “Estado de Emergência não significa necessariamente que tenha que existir um confinamento”

Em declarações ao Jornal Económico, Inês Sousa-Real assinala que “o que importa neste momento é percebermos onde é que estão as cadeias de transmissão”, defendendo que proporcionalidade e adequação das medidas consoante as localidades e regiões.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.
Comentários