“Foi opção política não criar REIT em Portugal até agora”

Os sócios da Cuatrecasas, Nuno Sá Carvalho, Paulo Costa Martins e Diogo Ortigão Ramos consideram estes veículos “atrativos”.

Cristina Bernardo

O regime das sociedades de investimento e gestão imobiliária (SIGI) entrou em vigor em Portugal no início do mês, cerca de uma década depois de terem assentado arraiais na vizinha Espanha. Denominadas internacionalmente de Real Estate Investment Trusts (REIT), têm a particularidade de ser cotadas em bolsa e de concentrarem maioritariamente investimento em ativos imobiliários para arrendamento. Nuno Sá Carvalho e Paulo Costa Martins, sócios da Cuatrecasas, consideram que não há motivos particulares que justifiquem o adiamento da chegada destes veículos ao país – exceto uma decisão política. “Nunca houve um apelo do mercado. Havia apetência, porque se via que em Espanha tinham gerado interesse dos investidores. Foi uma opção política de não criar estas sociedades até ao momento”, afirmou Nuno Sá Carvalho, responsável pelo departamento de Imobiliário, ao Jornal Económico.

Os advogados consideram que é um instrumento “atrativo” quando comparado com as estruturas disponíveis no mercado português para investir neste ramo. Contudo, julgam que pode existir o “risco” de os tradicionais fundos de investimento imobiliário perderem tração, ainda que não apontem necessariamente para o mesmo alvo. “A grande vantagem é que conciliam bem o investimento por pequenos investidores, porque há 20% de mínimo que tem de estar disperso por quem não tem mais do que 2% dos direitos de votos das sociedades, mas não afastam os grandes, porque lhes permitem estar dentro daquela fatia dos 80% detentores do capital”, explica Paulo Costa Martins, da área de Bancário e Financeiro.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Branqueamento de capitais em debate esta quinta-feira

O Observatório Português de Compliance e Regulatório (OPCR) promove esta quinta-feira, 23 de maio, a terceira Conferência Internacional sobre Prevenção e Deteção do Branqueamento, numa iniciativa que conta com o apoio do Jornal Económico, como ‘media partner’. Ana Gomes será uma das oradoras.

Recebeu uma multa rodoviária e não concorda? Advogados ajudam a contestar

A sociedade CRS Advogados lançou uma plataforma online. Basta enviar os dados e a contraordenação. A análise jurídica é gratuita e, depois, recebe uma proposta com os devidos honorários (que variam entre 80 e 190 euros).

Benefícios fiscais ao empreendedorismo

A escalada do empreendedorismo tem sido crescente nos últimos anos, com ideias que tanto visam colmatar áreas onde faltavam soluções, como reinventar setores já bastante explorados.
Comentários