Foram produzidos mais 33% de automóveis nas fábricas portuguesas em fevereiro

Número representa um crescimento de 33% face ao período homólogo do ano passado. Em termos acumulados nos dois primeiros meses de 2019 saíram das fábricas nacionais 62.778 veículos, mais 27,6% do que em igual período do ano anterior.

O mês de fevereiro em Portugal revelou uma produção de 31.852 veículos automóveis, valor que correspondeu a um aumento de 33%, face ao mesmo período do último ano, indica esta segunda-feira a Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Em termos acumulados nos dois primeiros meses de 2019 saíram das fábricas nacionais 62.778 veículos, mais 27,6% do que em igual período do ano anterior. Estes números confirmam de acordo com a ACAP “a importância que as exportações representam para o setor automóvel já que 97,3% dos veículos fabricados em Portugal têm como destino o mercado externo, o que, contribui de forma significativa para a balança comercial portuguesa”.

O continente europeu continua a líderar nas exportações dos veículos fabricados em território nacional, com 98,5%. Entre os países que recebem um maior número de veículos proveniente de Portugal, encontram-se a Alemanha (21,4%), a Itália (15,4%), a França (13,5%) e o Reino Unido (10,9%).carros

Recomendadas

Prepare a carteira. Vem aí (mais) um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Dia da Propriedade Intelectual: Criei uma marca. O que posso fazer para a registar?

Os advogados do departamento de TMT & Propriedade Intelectual da sociedade CCA explicam o que fazer para registar uma marca. O primeiro passo? Verificar se preenche determinados requisitos para que o seu registo seja concedido. Comemora-se esta sexta-feira o Dia Mundial da Propriedade Intelectual.

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.
Comentários