Fórum do BCE debate ‘online’ o futuro pós-pandemia da política monetária

Sob o tema ‘Beyond the pandemic: the future of monetary policy’ (‘Para além da pandemia: O futuro da política monetária’), a sétima edição do fórum – um evento anual que habitualmente decorre em Sintra – será transmitida ‘online’ no ‘site’ do BCE.

Os efeitos económicos globais da pandemia e os desafios futuros que se colocam à política monetária são os temas em debate na edição deste ano do Fórum do Banco Centro Europeu (BCE), que decorre na terça e na quarta-feira em formato ‘online’.

Sob o tema ‘Beyond the pandemic: the future of monetary policy’ (‘Para além da pandemia: O futuro da política monetária’), a sétima edição do fórum – um evento anual que habitualmente decorre em Sintra – será transmitida ‘online’ no ‘site’ do BCE.

“O evento irá abordar as implicações económicas globais da pandemia do coronavírus (covid-19) e os desafios futuros que se colocam à política monetária”, refere o Banco Central Europeu na sua página na Internet, avançando que em debate estarão “temas como o futuro da inflação, o emprego e os efeitos distributivos da política monetária”.

Segundo o BCE, em cima da mesa estará também a ligação entre a política monetária e as alterações climáticas no contexto europeu, assim como o papel do endividamento das empresas num mundo pós-pandémico e as mudanças estruturais potencialmente duradouras provocadas pela pandemia nos vários setores empresariais.

Na terça-feira, pelas 14:00, a presidente do BCE, Christine Lagarde, dará início aos trabalhos, com um discurso introdutório.

Segue-se uma sessão dedicada às “Perspetivas micro e macroeconómicas sobre o endividamento das empresas”, em que participarão oradores como a professora da Harvard Business School Victoria Ivashina, o professor da Stockholm School of Economics Bo Becker, o vice-presidente o BCE, Luis de Guindos, e o professor de Economia da Universidade de Bona, na Alemanha, Moritz Schularick.

Ainda na terça-feira, pelas 17:00, um primeiro painel irá debater “O futuro da inflação”, estando previstas as intervenções de Charles Goodhart, professor emérito da London School of Economics, Gita Gopinath, conselheira económica e diretora do departamento de investigação do Fundo Monetário Internacional (FMI), e Francesco Lippi, professor da Luiss Guido Carli University.

O segundo e último dia de trabalhos arranca também pelas 14:00, com uma sessão intitulada “Mudança estrutural e as implicações das alterações climáticas na política monetária” e as intervenções do professor da London School of Economics John Van Reenen, do professor da Australian National University Warwick McKibbine, e da vice-governadora do Sveriges Riksbank, Anna Breman.

Segue-se um segundo painel, dedicado à “Política Monetária, emprego e desigualdade”, em que intervirão os professores Juan Dolado, da Universidade Carlos III de Madrid, Antonella Trigari, da Bocconi University, e Gianluca Violante, da Universidade de Princeton.

Terminado o debate académico, o palco será dado aos bancos centrais, num painel que reunirá os governadores do Banco de Inglaterra, Andrew Bailey, e do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, a presidente do BCE, Christine Lagarde, e o presidente do Conselho de Governadores do Sistema da Reserva Federal, Jerome H. Powell.

O fórum termina com o anúncio, pelas 18:45, do vencedor do prémio “Young economists”, que receberá um prémio de 10.000 euros.

Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários