PremiumFórum Oceano alerta para “revolução energética” do hidrogénio na China

A Associação portuguesa da Economia do Mar diz que dentro de duas semanas a China lançará, nos confins da Mongólia Interior, o maior projeto de produção de hidrogénio verde, fazendo disparar o mercado mundial de hidrogénio.

O Fórum Oceano – Associação da Economia do Mar está atento à “revolução energética” do hidrogénio na China, que começará no próximo mês de outubro, na maior cidade-fantasma chinesa, localizada na Mongólia Interior. Entre desertos de areia e a planície da margem sul do rio Amarelo, será na cidade de Ordos – que apenas foi criada a 26 de fevereiro de 2001, projetada para instalar, sem sucesso, mais de 1,3 milhões de habitantes na zona árida de Ikh Juu –, que ocorrerá o big bang na produção chinesa de hidrogénio.

Além de Ordos, também a pequena cidade vizinha de Baotou assistirá a esta “alteração drástica no mix de energia do gigante asiático”, que, segundo as autoridades chinesas, contribuirá para reduzir, em poucos anos, as emissões de CO2 da China. Esta decisão é surpreendente face ao atual padrão de consumo de energia poluente existente na grande potência asiática (num registo diferente, há nove anos, também foi inesperada a imposição da transmissão da final do Miss Mundo 2012 a partir da mesma cidade-fantasma de Ordos).

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Novos limites da pesca da sardinha variam entre 1.575 e 4.725 quilogramas

Para as embarcações com comprimento superior a nove metros e inferior ou igual 16 metros o limite é 3.150 quilos (150 cabazes, quando aplicável).

PremiumRuben Eiras: “Solar e eólicas offshore serão mais competitivas que o nuclear em 2040”

A massificação da produção de hidrogénio não dependerá da eletricidade gerada pelo nuclear, admitiu o ex-diretor-geral da Política do Mar e secretário geral do Fórum Oceano ao Jornal Económico.

Quota de pesca de sardinha em Portugal sobe para 30 mil toneladas até novembro

Ministério do Mar diz que “poder-se-á fixar uma quota global para Portugal próxima das 30 mil toneladas, o que permitirá prorrogar esta pescaria até novembro, o que representa um crescimento muito importante (em 2020 foi fixada uma quota total de 12.700 toneladas)”.
Comentários