Forum para a Competitividade diz que aumento do salário mínimo pode resultar na perda de 100 mil postos de trabalho

Os economistas sustentam que poderá ter um impacto de entre um e dois pontos percentuais na taxa de desemprego, assim como uma degradação das contas externas, entre 1,5% e 3% do PIB.

O Forum para a Competitividade projeta que novas subidas extraordinárias do salário mínimo, sem medidas que estimulem o aumento da produtividade, pode resultar num cenário que gere perdas de entre 50 e 100 mil postos de trabalho. O aviso consta da “Nota de Conjuntura” de novembro, divulgada esta terça-feira, que considera que “teme-se contrapartidas insuficientes”.

Os economistas sustentam ainda que poderá ter um impacto de entre um e dois pontos percentuais na taxa de desemprego, assim como uma degradação das contas externas, entre 1,5% e 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Realçando que “subidas anteriores beneficiaram de conjuntura externa excepcional e congelamento anterior”, o Forum para a Competitividade diz que a atual conjuntura internacional está em clara deterioração, “quer devido ao final do ciclo económico, quer a perturbações como a guerra comercia, o Brexit, entre outras”.

“De registar, no mercado nacional, a manutenção da classificação de risco elevado nos setores do têxtil e do calçado, que sofreram até julho de 2019 evoluções negativas das exportações (-0,1% e -5,6%, respetivamente) num contexto de crescimento global das exportações de 2,2%”, realçam, para sustentar que “já se regista um claro “stress” devido aos anteriores aumentos e é sobre empresas fragilizadas que os novos aumentos se vão aplicar”.

O Forum para a Competitividade frisa que “aparentemente, o governo quer que o salário mínimo suba até 750 euros em 2023, enquanto as associações patronais parecem dispostas a concordar com uma subida até 700 euros, mediante a negociação de contrapartidas”, destacando que “não é ainda claro quais serão essas contrapartidas, mas teme-se que sejam muito insuficientes”.

Os economistas explicam que “as consequências de subidas extraordinárias do salário mínimo são muito diferentes no sector transaccionável (agricultura e indústria) e no sector não transaccionável (serviços)”. Se nos primeiros, a subida do salário mínimo pode conduzir a uma subida dos preços “dos bens não transaccionáveis (sobretudo serviços), porque toda a concorrência é nacional”, no sector transacionável  as coisas passam-se “de forma inteiramente diversa”.

Ler mais

Recomendadas

Confederações empresariais escrevem a Centeno para intervir nos seguros de crédito

Algumas confederações já se tinham queixado que as seguradoras de crédito estavam a reduzir as coberturas contratadas pelas empresas. Cinco confederações empresas escrevem agora ao ministro das Finanças a pedir para intervir e garantir seguros para risco de crédito, nomeadamente à exportação para não comprometer a fluidez das trocas comerciais. Produtos químicos e farmacêuticos, alimentar ou a construção, são alguns dos setores que precisam urgentemente de manter ou reforçar estes seguros, para evitar paragem abrupta da atividade.

Portugal quer garantir “corredor aéreo” para turismo britânico

No ano passado, mais de 16 milhões de turistas internacionais chegaram a Portugal, sendo que do total deste valor, 20% eram cidadãos do Reino Unido.

Lagarde vê economia da zona euro a contrair 8% a 12% este ano

A presidente do Banco Central Europeu afirma que após a pandemia não haverá uma crise das dívidas soberanas na zona euro e explica que o aumento dos níveis de dívida pública é transversal a nível mundial.
Comentários