Fosso salarial entre homens e mulheres em Portugal agravou-se e mais de um terço entre 2011 e 2016

De 2015 para 2016 o fosso estreitou-se em 0,3 pontos percentuais, para 17,5%. Isto quer dizer que as mulheres em Portugal ganham, em média, 83 cêntimos por cada euro que os homens ganham por hora.

O fosso salarial entre homens e mulheres em Portugal aumentou 35%, entre 2011 e 2016, para 17,5%, segundo os dados divulgados esta quarta-feira pelo Eurostat, mas desceu em 2016, face ao ano anterior.

Isto quer dizer que as mulheres em Portugal ganham, em média, 83 cêntimos por cada euro que os homens ganham por hora.

Portugal é um dos 10 Estados-membros em que a disparidade salarial de género subiu no período em análise, sendo seguido de perto pela Eslovénia, onde se registou uma subida de 4,5 pontos percentuais, para 7,8%, o que representa quase mais do que uma duplicação da taxa.

O fosso salarial entre homens e mulheres em Portugal era de 12,9% em 2011, ano em que Portugal foi obrigado a pedir ajuda externa, tendo aumentado 4,9 pontos percentuais, para 17,8%, em 2015, o ano a seguir ao final do programa de assistência internacional.

De 2015 para 2016 o fosso estreitou-se em 0,3 pontos percentuais, para 17,5%.

Na União Europeia (UE), o fosso salarial reduziu-se em 0,6 pontos percentuais, entre 2011 e 2016, para 16,2%.

Esta evolução é explicada pelas reduções verificadas na Roménia (menos 4,4 pontos percentuais), Hungria (4 pontos percentuais), Espanha e Áustria (ambas com menos 3,4 pontos percentuais), Bélgica (3,3 pontos percentuais) e a Holanda (menos 3 pontos percentuais).

A nível europeu, segundo os dados do Eurostat, os Estados-Membros com maior diferença de remuneração entre homens e mulheres em 2016 foram a Estónia (25,3%), a República Checa (21,8%), a Alemanha (21,5%), o Reino Unido (21,%) e a Áustria (20,1%).

Roménia (5,2%), Itália (5,3%), Luxemburgo (5,5%), Bélgica (6,1%), Polónia (7,2%), Eslovénia (7,8%) e Croácia (8,7%) foram os países que ficaram abaixo dos 10%.

 

Ler mais
Relacionadas

Portugal continua com níveis de desigualdade bastante elevados à escala europeia

O retrato social de Portugal nos últimos 10 anos é traçado no livro “Desigualdades Sociais, Portugal e a Europa”
Recomendadas

OCDE quer maior facilidade nos processos de insolvência em Portugal

No relatório sobre a economia portuguesa, a OCDE explica que a rendibilidade da banca melhorou, mas continua baixa e que o crédito malparado tem vindo a diminuir, mas continua elevado. Facilitar a liquidação de empresas insolventes e reduzir as restrições à sua saída do mercado estão entre as recomendações.

Subida de taxas de juro do BCE terá impacto negativo para famílias e empresas, alerta OCDE

OCDE considera que normalização da política monetária por Frankfurt poderá ter um impacto negativo para as despesas das famílias e empresas portuguesas. Consolidação orçamental é para manter, diz, e aconselha limitar o acesso às reformas antecipadas.

OCDE recomenda que Portugal suba os impostos sobre o gasóleo

OCDE considera que existe margem para aumentar a fiscalidade ambiental e que “tarifários nacionais de algumas fontes de energia não refletem os custos ambientais associados à sua utilização”. Promoção de utilização de transportes públicos e novas soluções de transporte partilhados são também recomendadas.
Comentários