Fracassou referendo na Roménia para vetar casamento gay

O referendo que decorreu destinado a proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo fracassou devido à baixa participação, que não ultrapassou a barreira dos 30%.

Roménia

Após dois dias de votação, e segundo os números do Gabinete Eleitoral Central, apenas participaram cerca de 20,41% dos 19 milhões de cidadãos convocados às urnas, muito abaixo dos 30% necessários para validar uma consulta que foi apoiada pelo Partido Social-Democrata (PSD, no poder) e pela Igreja ortodoxa.

A consulta procurava impor uma emenda constitucional para que o casamento não fosse definido, como até agora, como a união entre duas pessoas, mas entre um homem e uma mulher, com o objetivo de vetar uma futura legalização dos casamentos homossexuais.

O referendo, aprovado pela câmara baixa do parlamento no dia 12 de setembro, resultou de uma “iniciativa cidadã” de várias associações próximas da igreja ortodoxa, que afirmam terem recolhido três milhões de assinaturas. A população do país é de cerca de 19 milhões.

Os opositores da lei consideravam que esta nova linguagem constitucional é uma tentativa mesquinha de fazer as pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgéneros (LGBT) sentirem-se ainda mais cidadãos de segunda classe.

Para a associação Accept, que defende os direitos das minorias sexuais, com o seu voto “o parlamento romeno faz da homofobia um valor de Estado e sacrifica a proteção constitucional de numerosas famílias”.

Recomendadas

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.

Passageiros nos voos da TAP entre Portugal e o Reino Unido mais que duplicam

Em comunicado a TAP aponta que “a entrada de Portugal na “green list” de destinos de Inglaterra teve um impacto positivo na procura de voos entre o Reino Unido e Portugal.

Venda das barragens da EDP: Movimento exige a Finanças “arquivamento imediato” de inquérito a funcionário da AT

O Movimento Cultural da Terra de Miranda (MCTM) diz “não haver razões” que justifiquem “processo de inquérito” a membro do Movimento, ex-dirigente da AT, devido a nota jurídica sobre o impacto fiscal da venda das barragens da EDP no Rio Douro à Engie. Exige um pedido de desculpas ao MCTM e dá conta que documento foi elaborado  a pedido do Ministro do Ambiente, numa reunião que realizou com este Movimento, em 2 de setembro de 2020.
Comentários