PremiumFragmentado tinto e branco: Fragmentos graníticos do Cima-Corgo

A ideia foi “criar um topo de gama que melhor refletisse a concentração das nossas vinhas centenárias” – é assim que o enólogo Luís Leocádio sintetiza a motivação para produzir e lançar no mercado nacional os vinhos Fragmentado, da produtora Titan of Douro.

A ideia foi “criar um topo de gama que melhor refletisse a concentração das nossas vinhas centenárias” – é assim que o enólogo Luís Leocádio sintetiza a motivação para produzir e lançar no mercado nacional os vinhos Fragmentado, da produtora Titan of Douro.

Para estes dois vinhos, Fragmentado tinto e branco, recorreu-se à ‘ajuda’ de 30 castas identificadas: 17 tintas e 13 brancas. Por isso, podemos falar, não de um, mas de dois verdadeiros topos de gama.

As uvas foram produzidas em parcelas de vinha centenária, plantadas a uma altitude entre os 750 e os 850 metros, com um solo de transição entre o xisto e o granítico. Pobre e acidentado, mas que revela uma acidez surpreendente nos vinhos em apreciação. Pertencem a um Douro à parte do restante: longe do rio homónimo, do xisto e das cotas baixa. Antes um Douro virado para o rio Távora, em altitude, na confluência com a mais pequena zona vitivinícola demarcada de Portugal, a de Távora-Varosa – a que voltaremos aqui em breve. Na subregião de Cima-Corgo. Com solos de granito.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Católica no Porto impulsiona rede para valorizar leguminosas

Um primeiro passo na criação dessa rede, que se pretende seja suficientemente forte para ter impacto sobre a realidade, consiste numa experiência participativa entre a academia e os produtores.

SEL investe 1,5 milhões de euros em nova unidade de transformação de carnes em Estremoz

Com uma ‘performance’ anual de produção de 2.500 toneladas de frescos e ultra-congeladas e de 936 mil toneladas de transformados de carne de porco, a SEL apresenta, em média, uma faturação de cerca de 12 milhões de euros por ano.

Porto de Sines aposta no potencial do agronegócio com o Brasil

Após contactos diretos entre os dois Ministérios da Agricultura, está em cima da mesa a possibilidade de implantação em Sines de um terminal para exportação de frutas e carnes brasileiras para outros países europeus, para o norte de África e para o Médio Oriente. Nesse sentido, já foi assinado um protocolo entre a Comunidade Portuária de Sines e a Câmara de Comércio Brasil-Portugal Centro Oeste.
Comentários