França proíbe venda de copos e pratos plásticos descartáveis

A França é o primeiro país do mundo a proibir a venda de copos, taças, pratos, talheres e outros utensílios descartáveis de plástico.

A nova lei faz parte do projeto “Transição Energética para o Crescimento Verde”. O primeiro passo foi dado em Julho com a proibição da venda de sacos de plástico.

Aprovada no mês passado, a nova legislação vai ser implementada progressivamente até 2020, dando tempo aos fabricantes e aos estabelecimentos comerciais para se adaptarem às novas regras.

Os utensílios descartáveis vão, ainda assim, continuar a existir mas deverão sofrer alterações: Os produtos devem ser 50% constituídos por materiais de origem vegetal e devem ser biodegradáveis. Esses materiais incluem, em particular, amido de milho, amido de batata, fibras têxteis ou de celulose, ou de bambu. Cinco anos depois, em 2025, o conteúdo vai aumentar para 60%.

Com esta medida, o país espera reduzir o impacto ambiental do plástico convencional, derivado de petróleo, que leva várias décadas para se decompor e é frequentemente associado a substâncias que podem ser tóxicas. Além disso, é esperada uma redução dos custos com energia para reciclagem dos utensílios descartáveis.

De acordo com a AFP, organizações ambientalistas elogiaram a lei francesa e esperam que sirva de exemplo a outros países. No entanto, os críticos argumentam que a proibição de produtos prejudica os consumidores e que as medidas francesas violam as regras da União Europeia sobre a livre circulação de mercadorias.

As estatísticas apontam que em 2015 os franceses descartaram 4,7 mil milhões de utensílios de plástico e que foram utilizados 17 mil milhões de sacos nos supermercados.

Ler mais
Recomendadas

Infarmed suspende medicamentos com ranitida para azia e úlceras

O Infarmed vai proceder à recolha das embalagens e refere que o motivo para a recolha do fármaco prende-se com a detecção de uma impureza na substância activa ranitidina.

Bruxelas avalia até final do ano “caminho a seguir” contra ‘fake news’

A Comissão Europeia vai decidir, até final do ano, qual “o caminho a seguir” para combater as notícias falsas na União Europeia, avaliando se as medidas voluntárias existentes são suficientes ou se será necessária legislação, revelou fonte comunitária.

Dia Nacional de Limpeza de Praia: Plástico ainda não desapareceu dos areais

As mentalidades estão a mudar, alguns comportamentos também, mas nas praias continuam a existir beatas, palhinhas, cotonetes e, só no ano passado, uma iniciativa de recolha permitiu juntar 1,5 toneladas de plástico.
Comentários