França proíbe venda de copos e pratos plásticos descartáveis

A França é o primeiro país do mundo a proibir a venda de copos, taças, pratos, talheres e outros utensílios descartáveis de plástico.

A nova lei faz parte do projeto “Transição Energética para o Crescimento Verde”. O primeiro passo foi dado em Julho com a proibição da venda de sacos de plástico.

Aprovada no mês passado, a nova legislação vai ser implementada progressivamente até 2020, dando tempo aos fabricantes e aos estabelecimentos comerciais para se adaptarem às novas regras.

Os utensílios descartáveis vão, ainda assim, continuar a existir mas deverão sofrer alterações: Os produtos devem ser 50% constituídos por materiais de origem vegetal e devem ser biodegradáveis. Esses materiais incluem, em particular, amido de milho, amido de batata, fibras têxteis ou de celulose, ou de bambu. Cinco anos depois, em 2025, o conteúdo vai aumentar para 60%.

Com esta medida, o país espera reduzir o impacto ambiental do plástico convencional, derivado de petróleo, que leva várias décadas para se decompor e é frequentemente associado a substâncias que podem ser tóxicas. Além disso, é esperada uma redução dos custos com energia para reciclagem dos utensílios descartáveis.

De acordo com a AFP, organizações ambientalistas elogiaram a lei francesa e esperam que sirva de exemplo a outros países. No entanto, os críticos argumentam que a proibição de produtos prejudica os consumidores e que as medidas francesas violam as regras da União Europeia sobre a livre circulação de mercadorias.

As estatísticas apontam que em 2015 os franceses descartaram 4,7 mil milhões de utensílios de plástico e que foram utilizados 17 mil milhões de sacos nos supermercados.

Ler mais
Recomendadas

Portugal regista mais 552 casos e 13 mortes por Covid-19

O país regista, desde o início da pandemia, 68.577 casos confirmados da doença causada pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde.

Mais de 1 milhão de pessoas descarregaram a aplicação Stayaway Covid

“Estamos muito satisfeitos, ainda que não esteja propriamente surpreendido. A aplicação é uma ajuda à população portuguesa, mas ainda faltam os restantes cinco milhões de portugueses [que têm ‘smartphones’]”, disse Rui Oliveira, administrador do INESC TEC.

Loures cancela festejos carnavalescos de 2021

Devido à pandemia também já foram cancelados os corsos carnavalescos de Estarreja, Ovar, Mealhada, Figueira da Foz e Torres Vedras.
Comentários