Francisco Seixas da Costa: “Cabo Verde é, de longe, o país africano com a democracia mais estável”

As eleições presidenciais em Cabo Verde, em que José Maria Neves, antigo primeiro-ministro, foi eleito à primeira volta, serviu de mote para a análise de Francisco Seixas da Costa na última edição do programa “A Arte da Guerra”, da plataforma multimédia JE TV.

Num continente onde abundam a violência, o despotismo e o tráfico internacional de drogas, Cabo Verde é um oásis que importa preservar – tal como Portugal tem feito, segundo afirma o embaixador Francisco Seixas da Costa na última edição do programa “A Arte da Guerra”, da plataforma multimédia JE TV.

Em 2020, no índice de democraticidade dos sistemas políticos, elaborado anualmente pela Economist Intelligence Unit, ligada à revista britânica The Economist, Cabo Verde ocupa o 26º lugar a nível mundial. Realce para o facto deste índice medir o nível democrático de regimes políticos em 167 países.

José Maria Neves, antigo primeiro-ministro, foi eleito presidente de Cabo Verde à primeira volta, tendo atingido 51,5% dos votos. Carlos Veiga, também antigo primeiro-ministro e seu principal opositor, chegou aos 42,6% dos votos.

Relacionadas

Cabo Verde, um exemplo bem sucedido de democracia em África. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.
Recomendadas

Cabo Verde quer comunicação social no novo programa de cooperação com Portugal

O Governo cabo-verdiano defende que a comunicação social seja contemplada no novo Programa Estratégico de Cooperação (PEC) entre Portugal e Cabo Verde, que terá um envelope financeiro superior a 120 milhões de euros.

Cabo Verde prevê baixar défice das contas públicas para 6,1% no próximo ano

No rácio da dívida pública em função do PIB, Cabo Verde atingiu os 155,6% em 2020 e o Governo estima para este ano descer para 153,9%, baixando para 150,9% no próximo ano, sobretudo devido às previsões de crescimento económico.

Paulo Macedo vai propor ao Estado solução para os bancos em Cabo Verde e Brasil este mês

Também este mês a CGD deverá ter uma definição sobre a venda ou não dos fundos de reestruturação da ECS. A Caixa “não está disponível para registar perdas com esse portfolio até porque não tem pressa de vender os ativos”, disse o CEO do banco.
Comentários