“Fuga de cérebros” representa 40% da emigração portuguesa anual, estima académico

Na apresentação do relatório da OCDE “Perspectivas da Migração – 2017”, o professor Jorge Malheiros, do Instituto de Geografia e de Ordenamento do Território, disse acreditar que a emigração em Portugal vai abrandar ainda mais, porém não para aqueles que têm maior grau académico.

A “fuga de cérebros” representa 40% da emigração portuguesa por ano, estima o professor do Instituto de Geografia e de Ordenamento do Território, Jorge Malheiros, citado pelo Correio da Manhã desta quinta-feira, à margem da apresentação do relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) “Perspectivas da Migração – 2017”.

Durante o evento, o académico afirmou que os países de destino são “em particular, países do hemisfério Sul, como Angola, Moçambique e Brasil, que atraem um maior número de quadros superiores”, mas que existem muitos licenciados que voam para países da União Europeia ou da América do Norte.

O professor Jorge Malheiros acredita que a emigração em Portugal vai abrandar ainda mais, porém não para aqueles que têm maior grau académico: “esta tendência [de quebra] não se irá verificar”, justificou.

De acordo com Jean-Christophe Dumont, responsável da divisão das migrações da OCDE, há dois anos, cerca de metade (51%) dos que imigraram para Portugal fizeram-no em “agrupamento familiar”, segundo as declarações divulgadas pelo CM, proferidas na mesma apresentação.

Relacionadas

Economia verde pode criar mais 10% de empregos

O turismo sustentável está em debate nos Açores com alguns dos maiores especialistas mundiais, entre os quais Luigi Cabrini, presidente do Global Sustainable Tourism Council.

Emprego: futuro obriga a novas estratégias

A gestão de recursos humanos será uma área fundamental nas empresas, considera o investigador Nuno Boavida.
Recomendadas

Agricultura de precisão é o caminho de futuro

Sensores de rega gota a gota, utilização de GPS, crescente informatização dos processos produtivos e de logística são as tendências do setor da agricultura em Portugal. Conheça os desafios e os projetos.

Goldman Sachs prevê contração da economia norte-americana em 4,6% este ano

Os economistas do banco reviram em baixa as estimativas para a evolução do PIB dos Estados Unidos. No entanto, melhoraram as previsões para a taxa de desemprego.

CFP afasta cenário de recuperação económica rápida

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ‘Jornal de Negócios’, Nazaré da Costa Cabral voltou ainda a falar sobre o Orçamento Suplementar:“Há aqui uma perspetiva de subestimação da queda do produto e de certas das suas componentes que podem comprometer a cobrança de receita fiscal”.
Comentários