Função Pública: que tempo congelado poderá ser recuperado? Veja aqui as tabelas

Governo estabelece que para os trabalhadores das carreiras, cargos ou categorias, integrados em corpos especiais, em que a progressão e mudança de posição remuneratória dependa do tempo de serviço é contabilizado “70% do módulo do tempo padrão”. Veja aqui que tempo vai ser recuperado.

O Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros o diploma sobre o descongelamento das carreiras especiais, onde se incluem militares, juízes e polícias, que prevê a recuperação de 70% do tempo de serviço relevante para a progressão.

Veja aqui as tabelas.

A proposta, que integra uma solução idêntica à dos professores, estabelece que para os trabalhadores das carreiras, cargos ou categorias, integrados em corpos especiais, em que a progressão e mudança de posição remuneratória dependa do tempo de serviço é contabilizado “70% do módulo do tempo padrão”, tal como a Lusa avançou na terça-feira.

As carreiras estiveram congeladas entre 2011 e 2017.

O módulo de tempo padrão corresponde a 10 anos, já que, em regra, nas carreiras gerais, são necessários 10 pontos na avaliação de desempenho para mudar de escalão, sendo que sete anos de congelamento correspondem a 70% do módulo de progressão, segundo as explicações do executivo.

O diploma do Governo define que, para as carreiras especiais cuja progressão depende do tempo de serviço, como é o caso dos militares, forças de segurança ou juízes, este módulo calcula-se por categoria, cargo ou posto correspondente à média do tempo de serviço necessário para a progressão.

 

Ler mais

Relacionadas

Governo aprova recuperação de 70% do tempo de serviço para progressão nas carreiras especiais

A proposta, que integra uma solução idêntica à dos professores, estabelece que para os trabalhadores das carreiras, cargos ou categorias, integrados em corpos especiais, em que a progressão e mudança de posição remuneratória dependa do tempo de serviço é contabilizado “70% do módulo do tempo padrão”.
Recomendadas

Sassoli apela ao Eurogrupo: “Precisamos de encontrar formas novas e comuns de financiamento”

Em vésperas de nova ronda de negociações dos ministros das Finanças europeus, o Presidente do Parlamento Europeu defendeu que o Eurogrupo “tem de estar à altura do desafio” e que “o colapso de um país teria, inevitavelmente, consequências dramáticas para todos os outros”.

Covid-19: Coface prevê maior número de insolvências de empresas desde 2009

A empresa especilizada na gestão de crédito prevê ainda recessões em 68 países (contra apenas 11 no ano passado), uma queda do comércio mundial de 4,3% este ano (após uma queda de -0,4% em 2019), e um aumento de 25% das insolvências de empresas a nível mundial (em comparação com a nossa previsão de Janeiro passado, que era de +2%).

Pandemia: 34% dos portugueses receiam colapso da Segurança Social e 20% temem perder o emprego

Se há uma semana 81% dos portugueses inquiridos apresentava elevada preocupação face à crise atual, hoje, são 90%. E 18% dos portugueses ativos antes da epidemia afirmam já ter perdido, mesmo que temporariamente, o seu emprego.
Comentários