Função Pública tem 500 vagas para estágios. Salários de 995 euros

Os estágios para técnicos superiores têm a duração de nove meses. Os serviços com vagas disponíveis ainda têm de ser anunciados pelo Governo que espera lançar as candidaturas em março para os estágios arrancarem em abril.

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública | Cristina Bernardo

O Governo aprovou esta quinta-feira, 18 de fevereiro, um programa de estágios para a Administração Pública (AP) que vai ser lançado este ano.

Este programa “visa dar oportunidade a jovens para fazer estágios qualificados na AP e dessa forma rejuvenescer a AP e atrair jovens para as funções publicas”, disse hoje a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública no briefing do Conselho de Ministros.

Alexandra Leitão avançou que são “500 vagas distribuídas por vários serviços, definidos por portaria, durara nove meses e a bolsa equiparada a primeira posição remuneratória de técnico superior”, isto é, 995 euros mensais.

Em termos de calendário, a ministra prevê que o processo de candidatura tenha lugar em março e que “durante o mês de abril os estágios possam começar. É este o cronograma que temos planeado”.

O comunicado do Conselho de Ministros explica que hoje foi aprovado a “resolução que cria um programa extraordinário de estágios na Administração direta e indireta do Estado, a realizar durante o ano de 2021, destinado à carreira de técnico superior”.

O programa “EstágiAP XXI” é uma medida prevista no “Programa de Estabilização Económica e Social e visa valorizar as qualificações e competências dos jovens licenciados, promovendo a empregabilidade num contexto socioeconómico em que será necessário um excecional apoio à recuperação económica. Pretende-se ainda promover o rejuvenescimento da administração pública e atrair jovens qualificados para os serviços do Estado”, de acordo com o comunicado.

Ler mais

Recomendadas

Dombrovskis ao JE: “Com a Cimeira do Porto colocamos os direitos sociais num novo contexto”

Vice-presidente da Comissão Europeia com a pasta de “Uma Economia ao Serviço das Pessoas” sublinha ao Jornal Económico que a Cimeira Social do Porto permite lançar os direitos sociais para a política de transição digital e verde, mas também “garantir uma recuperação inclusiva sem deixar ninguém para trás”. 

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A nível europeu a atenção irá estar centrada no índice ZEW do clima económico na Alemanha (terça), enquanto nos EUA os números em destaque irão ser os da inflação (quarta) e retalho (sexta). Por cá, continua a maratona da audições da CPI do Novo Banco, mas também há um leilão duplo de Obrigações, contas do Grupo EDP e vários indicadores económicos.
Comentários