Funchal assinala dia internacional das cidades educadoras esta quinta-feira

A vereadora com o pelouro da Educação, Madalena Nunes, destaca que este evento tem bastante simbolismo e afirma a dedicação do município para com os princípios da carta das cidades educadoras.

O Funchal assinala esta quinta-feira o dia internacional das cidades educadores. O município faz parte de uma rede que inclui 490 cidades de 36 países. O dia vai ser marcado por várias iniciativas, na Praça do Município, que têm por tema a educação ambiental.

A vereadora com o pelouro da Educação, Madalena Nunes, refere que este evento tem “bastante simbolismo” e que une o Funchal a cidades de todo o mundo.

Madalena Nunes destaca “a dedicação” deste executivo “para com os princípios da Carta das Cidades Educadoras” que no seu entender tem sido “o fio condutor da acção do executivo municipal”.

Pelo Funchal vão decorrer esta quinta-feira várias actividades para assinalar este dia entre as quais um mural no qual a autarquia desafia os munícipes a se pronunciar sobre “o que é uma Cidade Educadora e do que deve ser o Funchal no futuro”.

Recomendadas

Madeira: PCP propõe gabinete para micro e pequenas empresas acederem a medidas de apoio ao coronavírus

Os comunistas madeirenses alertam que o acesso aos apoios às empresas, que foram decretados pelos governos, requerem um conjunto de actos burocráticos que muita micro e pequenas empresas da região não vão ter condições humanas e técnicas para poder concretiza-las e para aceder aos referidos apoios.

Câmara do Funchal lança guia de boas práticas para comerciantes lidarem com coronavírus

Este guia reúne as práticas a adotar nesta nova fase de modo a que os empresários possam proceder à reabertura dos seus espaços comerciais em plena segurança, explicou Miguel Gouveia, presidente da Câmara Municipal do Funchal.

Coronavírus: Madeira vai manter estratégia de controlo de entrada de passageiros

O presidente do Governo da Madeira disse que a única forma que temos de controlar focos potenciais do vírus na região, e de proteger a vida dos cidadãos passa por se a capacidade de controlarmos as entradas na região. Miguel Albuquerque refere que “não estão a ser violados Direitos, Liberdades e Garantias. Estamos para proteger outros direitos, como o direito à saúde e à vida da restante população, para restringir e salvaguardar desses potenciais focos de infeção”, acrescentou o governante.
Comentários