Funchal: Coligação Confiança pretende novas centralidades nas zonas altas e mercado imobiliário acessível a toda a população

A candidatura propõe promover um diagnóstico focado no território sobranceiro à cidade baixa, com o objetivo de implementar intervenções urbanas cirúrgicas, direcionadas ao transporte, saúde, espaço público, educação e cultura, permitindo reavivar, reafirmar e estabelecer outras centralidades, integrando-as numa estrutura de conjunto.

A candidatura da Coligação Confiança à Câmara Municipal do Funchal promoveu um encontro com a Delegação Regional da Madeira da Ordem dos Economistas, com o intuito de estabelecer um diálogo sobre os desafios e potencialidades do Município do Funchal do ponto de vista económico. A reunião teve como temas principais a ação do Balcão do Investidor da CMF, a modernização administrativa, a desertificação urbana, com especial atenção às zonas altas, e a gentrificação.

A visita contou com a presença do candidato à Presidência da CMF, Miguel Silva Gouveia, e dos candidatos a Vereadores Amílcar Nunes e Sancha de Campanella, que foram recebidos pelo Presidente da Delegação Regional da Ordem dos Economistas, Paulo Pereira.

Relativamente ao Balcão do Investidor, Amílcar Nunes destaca “a relevância e o sucesso deste projeto da Câmara, no apoio aos promotores e no impulso à requalificação dos imóveis. Acreditamos, no entanto, que este instrumento tem potencial para ganhar ainda maior amplitude e relevância no que concerne ao setor imobiliário e requalificação urbana, pelo que um dos nossos grandes focos para o mandato autárquico é o investimento no campo da modernização administrativa, nomeadamente com a implementação de uma plataforma que permita o rastreamento e gestão dos projetos submetidos, de modo a apresentar um processo cada vez mais transparente e otimizado, que salvaguarde todas as partes interessadas”.

O candidato a Vereador da Coligação Confiança, salienta que foram também “apresentados indicadores de que, a médio-prazo, as localidades sobranceiras à cidade, se não forem devidamente intervencionadas e beneficiadas, terão uma redução populacional que, consequentemente, poderá deixar o Funchal com um número elevado de imóveis devolutos, em zonas que são fundamentais para a segurança e a ecologia da cidade”.

A candidatura propõe, deste modo, promover um diagnóstico focado no território sobranceiro à cidade baixa, com o objetivo de implementar intervenções urbanas cirúrgicas, direcionadas ao transporte, saúde, espaço público, educação e cultura, permitindo reavivar, reafirmar e estabelecer outras centralidades, integrando-as numa estrutura de conjunto.

Outro dos temas discutidos foi a gentrificação. “Também de acordo com os indicadores disponíveis, a cidade caminha para um futuro em que o mercado imobiliário só estará acessível à população com maior capacidade económica. Tendo a Região conhecimento de áreas urbanas onde este processo decorre, importa desde já iniciar a discussão e implementação de medidas de regulação do mercado imobiliário, de forma a antecipar e conter esta problemática”, concluiu Amílcar Nunes.

Recomendadas

Universidade da Madeira conquista segundo lugar em concurso nacional de empreendedorismo

O Palmito do Atlântico é um projeto voltado para a sustentabilidade e para a economia circular, alinhado com os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

Vulcão nas Canárias: Madeira disponibiliza ajuda no âmbito da Proteção Civil

Entre os recursos madeirenses colocados ao dispor das autoridades canarianas, está uma brigada para Busca e Resgate em Montanha, serviços de emergência médica pré-hospitalar altamente diferenciada (médicos, enfermeiros, TAS, TAT) e uma brigada helitransportada para multi mission.

Venda de smartphones sem carregador é correta à luz da lei?

Se o profissional não inclui um adaptador de corrente com o smartphone e que não informa, de forma cuidadosa, o consumidor – trata-se de uma omissão enganosa e, como tal, conduz ou é suscetível de conduzir o consumidor a tomar uma decisão de compra que não teria tomado de outro modo.
Comentários