Funchal recebe 17% das verbas do plano de investimentos da Madeira

O Funchal terá menos 42 milhões de euros no âmbito do plano de investimentos da Madeira.

O Funchal vai receber 92 milhões de euros, dos 548 milhões de euros, ou 17%, que serão alocados para o Programa e Plano de Investimento e Despesas de Desenvolvimento da Região autónoma da Madeira (PIDDAR).

Depois do Funchal aparece a Calheta, com 35 milhões de euros, e Santana com 22 milhões de euros.

A Ribeira Brava vai receber 16 milhões de euros, Câmara de Lobos e Ponta do Sol (oito milhões de euros), Porto Moniz e Machico (três milhões de euros), Porto Santo (seis milhões de euros), Santa cruz e São Vicente (dois milhões de euros).

Para o estrangeiro o Governo Regional vai alocar uma verba de um milhão de euros.

Em comparação com o PIDDAR do ano anterior o Funchal perde 42 milhões de euros, e desce o seu peso de 19% para 17%. A Calheta, Câmara de Lobos, Santana, e o estrangeiro têm um reforço de verbas enquanto que Machico, Ponta do Sol, Porto Moniz, Porto Santo, Ribeira Brava, Santa Cruz, São Vicente terão menos verbas disponíveis ao abrigo do PIDDAR.

Recomendadas

Governo Regional apoia cultura com sete protocolos no valor de 57 mil euros

Os sete protocolos beneficiam as seguintes associações: Associação Cultural, Desportiva, e Recreativa Avesso, a Companhia Contigo Teatro, o Orfeão Madeirense, o Grupo de Folclore e Etnográfico da Boa Nova, Paulo Rúben Martins Silva, ator e produtor do II Festival Internacional das Artes de Rua da Madeira, a Banda Recreio Camponês e o Grupo de Teatro de Machico.

Novo líder do PS/Madeira diz que vai estar “sempre contra” o centralismo do Estado

Paulo Cafôfo, afirmou que vai estar “sempre contra” o centralismo do Estado e garantiu que o seu projeto político assenta na transparência democrática.

Mais de 100 mil testes à Covid-19 processados no laboratório do SESARAM

Desde o dia 29 de fevereiro de 2020, o Laboratório do Serviço de Patologia Clínica do SESARAM realiza o processamento de testes PCR à Covid-19 na Região Autónoma da Madeira.
Comentários