Funcionários do BBVA acusam banco de monitorizar e-mails e telemóveis

A informação surge na sequência do caso Villarejo que começou a ser julgado em 2017, mas só incluiu o BBVA em 2019

Os funcionários do Banco Bilbao Vizcaya (BBVA) acusam a instituição bancária de monitorizar os seus e mails e telemóveis, segundo o El Economista. A informação surge na sequência do caso Villarejo, um caso que remonta ao ano de 2017.

Em 2019, o BBVA começou a ser investigado pelo Supremo tribunal Espanhol, a Audiencia Nacional, por suborno, divulgação de informação privada e práticas comerciais corruptas. Os procuradores do caso suspeitavam que o banco espanhol tinha contratado os serviços da empresa Cenyt de José Villarejo para obter informações em relação à construtora espanhola Sacyr.

Através dos documentos analisados na investigação do Supremo Tribunal Espanhol foi possível concluir que o BBVA supervisionou as comunicações com o objectivo de averiguar se existiam funcionários a revelar informações à imprensa.

O banco negou que esta prática tivesse sido levada a cabo. “Esperamos obter mais dados para perceber o que aconteceu”, afirma o BBVA. No entanto os trabalhadores revelam “não estar surpreendidos por terem sido vigiados”.

O caso Villarejo remete para José Manuel Villarejo, um ex-comissário da polícia que está a ser investigado, desde 2017, por controlar, durante duas décadas, telefones e gravações secretas, bem como outras invasões de privacidade contra políticos, empresários, juízes e jornalistas.

Relacionadas

BBVA com lucros de 3.512 milhões em 2019 a caírem 35%

O Grupo BBVA reporto um lucro recorrente, sem extraordinários, de 4.830 milhões de euros em 2019 ( 2,7% mais que em 2018), naquele que é “o melhor resultado desde 2009”.

BBVA Portugal obrigado a reintegrar “imediatamente” seis trabalhadores despedidos há cinco anos

Seis trabalhadores do BBVA Portugal, demitidos em dezembro de 2014, vão ser reintegrados nos seus postos de trabalho no primeiro dia útil de 2020. Isto é, na quinta-feira, 2 de janeiro.
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários