Fundador da Amazon cria fundo de dois mil milhões de dólares para ajudar sem abrigo

O fundador da Amazon em conjunto com a sua mulher pretendem também criar com este fundo uma rede pré-escolar sem fins lucrativos em comunidades mais carenciadas.

REUTERS/Joshua Roberts

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, e a sua mulher MacKenzie Bezos criaram um fundo no valor de dois mil milhões de dólares (cerca de 1,7 mil milhões de euros) para ajudar os sem abrigo e também uma rede pré-escolar sem fins lucrativos em comunidades mais carenciadas.

O ‘Bezos Day One Fund‘ vai focar-se em duas iniciativas, anunciou o multimilionário numa publicação na rede social Twitter. A primeira visa financiar organizações sem fins lucrativos existentes e distribuir prémios anuais para organizações que realizam trabalhos para responder às necessidades imediatas de jovens famílias e apoiá-las.

O segundo pretende criar uma rede pré-escolar. A declaração de visão do fundo vem da organização sem fins lucrativos Mary’s Place, em Seattle, sob o lema ‘nenhuma criança dorme fora de casa. “Usaremos o mesmo conjunto de princípios que impulsionaram a Amazon. O mais importante entre eles será a genuína e intensa obsessão do cliente. A criança será o cliente”, escreveu Jeff Bezos.

Recomendadas

Teodora Cardoso: “Não podemos pensar em reduzir impostos”

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ao ‘Jornal de Negócios’, Teodora Cardoso disse: “penso que no estado em que estão as coisas, não podemos pensar muito em reduzir impostos”.

Quintela e Penalva com vendas de 94 milhões no primeiro semestre

Imobiliária especializada na venda e arrendamento de imóveis de luxo registou 134 negócios. A área residencial, cujo valor médio por transação é de 70 milhões de euros representou 71% das transações.

Ainda não abasteceu? Espere por amanhã: preços da gasolina e do gasóleo descem

O gasóleo irá cair 0,5 cêntimos, enquanto a gasolina vai descer 1,5 cêntimos, refletindo as cotações médias dos combustíveis nos mercados internacionais, de acordo com fontes do setor contactadas pelo Jornal Económico.
Comentários