Fundo avança em tribunal contra 59 antigos gestores do BES e GES

As ações deram entrada no Tribunal Judicial de Lisboa esta quinta-feira. Mais de 514 milhões de euros são exigidos a cada um dos 59 ex-gestores do BES, Best, ESI, Rioforte e Banco Espírito Santo Açores.

O fundo que representa os lesados do Banco Espírito Santo (BES) avançou com 59 ações judiciais, no valor global de 30 mil milhões de euros, contra um conjunto de antigos gestores do banco falido e do Grupo Espírito Santo (GES), bem como antigos membros dos órgãos de fiscalização que responsabiliza pela queda da instituição em 2014, escreve o Jornal Económico na edição que chegou esta sexta-feira às bancas.

Fonte próxima ao processo disse que ao semanário que se trata “de um dos maiores processos judiciais de sempre em Portugal e que poderá, até, assegurar aos lesados do antigo BES com papel comercial do GES a recuperação de 100% do capital investido”.

As mais de cinco dezenas de ações de responsabilidade solidária – cada uma de 514,2 milhões de euros – deram ontem entrada no Tribunal Judicial de Lisboa. “Os réus foram membros dos conselhos de administração e dos órgãos de fiscalização da ESI, Rio Forte, BES, BEST e BAC nos períodos de 2011 a 2014”, refere o a mesma fonte. Na lista estão nomes como Ricardo Salgado, Amílcar Morais Pires, Joaquim Góis, António Souto, Rui Silveira, José Manuel Espírito Santo e Rita Cabral.

Recorde-se que a solução traçada pelo Governo acabou por assegurar até 75% do capital através do novo veículo que foi criado para indemnizar os lesados do BES que compraram papel comercial da Rioforte e da ESI, cujo responsável pelas contas foi Machado da Cruz. Esta última empresa é a holding do GES que ocultou o passivo, desde 2008, acabando por precipitar a queda do GES, que teve impacto para o desaparecimento do BES.

Recomendadas

Presidente da sociedade que tem 75% do Novo Banco estava no Deutsche Bank quando assessorou o Banco de Portugal na venda

O presidente da Nani Holding que é dona de 75% do Novo Banco, frisou que entrou só em 2019, dois anos e meio depois de ter sido assinado a venda do banco liderado por António Ramalho, em 2017.

Lone Star não tem “para já” planos de venda do Novo Banco

“O Novo Banco está agora a entrar na fase lucrativa”, referiu Evgeny Kazarez, acrescentando que não está previsto haver mais utilizações do CCA (mecanismo de capitalização contingente) porque “na medida do possível” o plano de reestruturação está concluído.

Natixis e INESC desenvolvem sistema que facilita análise de risco no setor bancário

Neste sentido, o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) anuncia em comunicado que colaborou com o banco francês de investimentos a operar em Portugal, com vista a encontrar uma solução para corrigir séries financeiras através de algoritmos.
Comentários