Fundo da Square AM compra escritórios da Regus na Quinta do Lago por dois milhões

O comprador foi a gestora portuguesa Square AM, em representação do seu novo fundo imobiliário Property Core, numa operação avaliada em cerca de 2 milhões de euros, diz em comunicado a JLL Portugal, liderada por Pedro Lancastre.

A promotora imobiliária JLL (Jones Lang LaSalle)  vendeu os escritórios da Regus na Quinta do Lago a novo fundo da Square AM.

O comprador foi a gestora portuguesa Square AM, em representação do seu novo fundo imobiliário Property Core, numa operação avaliada em cerca de 2 milhões de euros, diz em comunicado a JLL Portugal, liderada por Pedro Lancastre.

“A equipa de Private Wealth, que integra o Departamento de Capital Markets da JLL, fechou o ano de 2020 com chave de ouro, concluindo a venda em plena pandemia do novo centro de escritórios da Regus no Algarve”, diz a sociedade de promoção imobiliária.

“A área de Private Wealth da JLL dedica-se em exclusivo a apoiar os investidores de privados que querem estar ativos no investimento imobiliário comercial, seja a comprar ou a vender. A dinâmica da equipa que apoia estes investidores reflete a importância crescente deste perfil no mercado nacional, acompanhando nos últimos dois anos cerca de 25 operações, num total de 55 milhões de euros transacionados por esta tipologia de investidores, dos quais 70% são capital português”, detalha a JLL Portugal.

Fernando Ferreira, Head of Capital Markets da JLL Portugal, refere na nota que “os investidores privados, como familly offices e os particulares, vão estar cada vez mais ativos no investimento imobiliário”.

Nesta tipologia de investidores, “normalmente as transações envolvem tickets entre 1 milhão e 10 milhões de euros com contratos de arrendamento de longa duração e inquilinos sólidos, um perfil de que o ativo agora vendido é um exemplo perfeito”, acrescenta.

Ler mais
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários