Fundo da Square AM compra escritórios da Regus na Quinta do Lago por dois milhões

O comprador foi a gestora portuguesa Square AM, em representação do seu novo fundo imobiliário Property Core, numa operação avaliada em cerca de 2 milhões de euros, diz em comunicado a JLL Portugal, liderada por Pedro Lancastre.

A promotora imobiliária JLL (Jones Lang LaSalle)  vendeu os escritórios da Regus na Quinta do Lago a novo fundo da Square AM.

O comprador foi a gestora portuguesa Square AM, em representação do seu novo fundo imobiliário Property Core, numa operação avaliada em cerca de 2 milhões de euros, diz em comunicado a JLL Portugal, liderada por Pedro Lancastre.

“A equipa de Private Wealth, que integra o Departamento de Capital Markets da JLL, fechou o ano de 2020 com chave de ouro, concluindo a venda em plena pandemia do novo centro de escritórios da Regus no Algarve”, diz a sociedade de promoção imobiliária.

“A área de Private Wealth da JLL dedica-se em exclusivo a apoiar os investidores de privados que querem estar ativos no investimento imobiliário comercial, seja a comprar ou a vender. A dinâmica da equipa que apoia estes investidores reflete a importância crescente deste perfil no mercado nacional, acompanhando nos últimos dois anos cerca de 25 operações, num total de 55 milhões de euros transacionados por esta tipologia de investidores, dos quais 70% são capital português”, detalha a JLL Portugal.

Fernando Ferreira, Head of Capital Markets da JLL Portugal, refere na nota que “os investidores privados, como familly offices e os particulares, vão estar cada vez mais ativos no investimento imobiliário”.

Nesta tipologia de investidores, “normalmente as transações envolvem tickets entre 1 milhão e 10 milhões de euros com contratos de arrendamento de longa duração e inquilinos sólidos, um perfil de que o ativo agora vendido é um exemplo perfeito”, acrescenta.

Recomendadas

Caixa Geral de Depósitos aumenta lucros para 294 milhões de euros

No primeiro semestre, o resultado líquido consolidado da CGD atingiu 294 milhões de euros (249 milhões no período homólogo). O banco revela ainda a “continuação do reforço de imparidades de crédito em 90,2 milhões de euros em base preventiva dos potenciais efeitos da crise pandémica”.

Mais de metade das empresas com quebras no volume de negócios em 2020

Três quartos das empresas do alojamento e restauração registaram perdas no volume de negócios, enquanto mais de metade das empresas nos sectores dos transportes, serviços gerais, grossistas, retalho e indústrias apresentaram quebras.

Comissão de Trabalhadores da Meo apresentou proposta para travar despedimento coletivo mas administração recusou

A entidade “entende que este despedimento coletivo é injustificável, impróprio, imoral e ilegal”. 
Comentários