PremiumFundo de lesados avança em tribunal contra seguradoras

Ações judiciais exigem mais de 25 mil milhões de euros a quem segurava os administradores do BES, bem como a 47 gestores do banco falido, holdings ESI e Rioforte, e auditores. 500 milhões a cada um.

O fundo que representa os lesados do BES vai avançar até ao final de janeiro com cerca de meia centena de ações judiciais, no valor global de 25 mil milhões de euros, contra um conjunto de pessoas e entidades que responsabiliza pela queda do banco. Na lista dos visados estão três seguradoras estrangeiras com quem vários administradores do banco e do GES tinham contratado seguros de responsabilidade civil profissional, revelou ao Jornal Económico fonte próxima do Fundo de Recuperação de Créditos de clientes do BES.

Estava previsto as ações por responsabilidade solidária darem entrada nos tribunais até ao final de 2018, mas a necessidade de obter mais documentação para fundamentar os processos ditou o atraso na entrada das ações contra a auditora KPMG, o seu presidente, Sikander Sattar, e ainda dois dos seus administradores, o antigo banco de investimento da família Espírito Santo (BESI) – atual Haitong -, bem como 47 membros de conselhos da administração, comissão executiva e órgãos sociais do BES (28), da ESI (10) e Rioforte (nove).

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Banif e mobilidade da Madeira entre as preocupações levadas pelo Nós, Cidadãos ao presidente da República

As dívidas excessivas dos portugueses e a natalidade foram outras preocupações deixadas pelo partido, com representação na Madeira, na audiência com Marcelo Rebelo de Sousa.

PremiumFundo dos lesados avança para tribunal contra KPMG, administradores da auditora e gestores do BES

Fundo dos lesados avança este ano com ações contra 13 gestores do BES e a auditora KPMG, exigindo 500 milhões de euros a cada um.
Recomendadas

Resolução do BES está a ser feita às prestações, diz presidente do Fundo de Resolução

“O que aconteceu em Portugal, é que o Fundo de Resolução foi criado em 2012, e em 2014, tinha apenas 337 milhões de euros”, salientou Máximo dos Santos. O Fundo de Resolução já pagou 466 milhões de euros em juros e comissões ao Estado, com as medidas de resolução, explicou Máximo dos Santos.

CMVM defende revisão da proposta de lei da reforma da supervisão financeira

O supervisor considera que existem vários “temas e aspetos do Projeto que, por suscitarem maior preocupação crítica, reclamam aprofundamento de análise e melhoria quanto às soluções preconizadas”, segundo a entidade presidida por Gabriela Figueiredo Dias.

Banco de Portugal: Administradores com direito a receber até dois terços do salário durante período de nojo de dois anos

Para terem direito a esta compensação, os administradores não podem desempenhar atividades remuneradas, acumular com a reforma ou trabalhar para o Banco de Portugal.
Comentários