PremiumFundo de Resolução terá de ceder ao Estado parte dos 25% que detém no Novo Banco

Venda do Novo Banco à Lone Star estipula que entrada do Estado no capital por força do regime especial dos DTA só dilui o Fundo de Resolução.

Cristina Bernardo

É o Fundo de Resolução que tem a responsabilidade exclusiva de ressarcir o Estado na conversão dos créditos fiscais em ações do Novo Banco, no âmbito do Regime Especial Aplicável aos Ativos por Impostos Diferidos (REAID). Tudo porque o contrato de venda do Novo Banco à Lone Star, assinado em outubro de 2017, prevê expressamente que é o Fundo de Resolução que tem a responsabilidade de lidar com a questão dos ativos por impostos diferidos (DTA – Deferred Tax Asset) que estão protegidos pelo Estado e que lhe dão, em compensação, o direito de entrar no capital dos bancos que tenham tido prejuízos nas contas individuais.

Segundo revelou uma fonte ao Jornal Económico (JE), isto significa que a entrada do Estado no capital do Novo Banco, por força do REAID, só dilui a participação do Fundo de Resolução e não a da Lone Star, que se manterá com 75%, por causa do que está definido no contrato de venda do banco.

“Do ponto de vista dos interesses dos contribuintes a solução é neutra”, diz uma fonte ligada ao processo. Mas não é neutro para o sistema bancário porque a participação do Fundo de Resolução no Novo Banco fica diminuída.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Resolução do BES foi há 5 anos e custou ao Estado mais de 5 mil milhões

A medida de resolução criaou duas entidades: o ‘BES mau’, que deixou de poder operar, onde ficavam os ativos e passivos considerados ‘tóxicos’, e o Novo Banco, que ficou com os depósitos do BES e com os ativos considerados de qualidade, capitalizado pelo Fundo de Resolução com 4,9 mil milhões de euros.

“Portugueses não serão chamados a suportar perdas privadas”. Quem disse o quê a poucos dias do colapso do BES

A um mês da resolução do Banco Espírito Santo, em julho de 2014, ouviram-se por parte dos responsáveis frases como “o BES não nos merece nenhuma apreensão” e que os depositantes desta instituição bancária podiam “estar tranquilos”. Saiba quem disse o quê, a poucos dias da decisão mais importante da história da banca em Portugal.

Queda do BES: o desmoronamento que atravessou e condicionou três Governos

Há precisamente cinco anos, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, anunciava a resolução do BES. O caso do banco que sempre se deu bem “com todos os partidos”, marcou três Governos de cores diferentes e veio expor a forma como o poder político e o setor financeiro caminham muitas vezes de mão dada.
Recomendadas

Novo crédito à habitação em setembro soma 915 milhões de euros, diz Banco de Portugal

Em setembro os volumes de novas operações para habitação, consumo e outros fins totalizaram 915, 462 e 284 milhões de euros, respetivamente, avança ao Banco de Portugal.
Martin Revolut

Revolut: conselheiro de Nik Storonsky nomeado ‘chairman’ não-executivo

Martin Gilbert, era informalmente o conselheiro do CEO da Revolut, Nikolay Storonsky, funções que continuará a desempenhar até ao dia 1 de janeiro. A nomeação de Martin Gilbert para chairman não-executivo surge numa altura em que a Revolut se prepara para se tornar num verdadeiro banco digital.

Aon reforça área de M&A com entrada de Marcos Oliveira e Bruno da Silva

Novos membros da equipa jurídica foram recrutadas na Allianz Portugal e na Willis Towers Watson.
Comentários