Fundo Europeu de Estabilização Financeira aprova pagamento antecipado de dois mil milhões por Portugal

O FEEF foi um dos credores internacionais de Portugal durante o resgate da troika entre 2011 e 2014, com o fundo europeu a emprestar 26 mil milhões de euros.

Flickr/MATT WRITTLE

O Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) aprovou hoje um pedido de Portugal para fazer o pagamento antecipado de dois mil milhões de euros. Este montante pertence aos empréstimos deste fundo no âmbito do resgate internacional da troika entre 2011 e 2014 no valor de 76,3 mil milhões de euros

Deste total, o FEEF emprestou um total de 26 mil milhões de euros a Portugal , com o Fundo Monetário Internacional (FMI) a emprestar 24,3 mil milhões de euros, e o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) a emprestar 26 mil milhões de euros. Portugal finalizou o pagamento antecipado do seu empréstimo ao FMI em dezembro de 2018.

O pedido foi realizado pelo Governo português a 28 de junho, através do ministro das Finanças, Mário Centeno, e teve de ser sujeito à aprovação do conselho de diretores do FEEF, segundo o comunicado da instituição europeia.

Portugal torna-se assim no segundo país beneficiário a proceder a um pagamento antecipado do empréstimo, depois de Espanha que já realizou nove pagamentos antecipados.

“O pedido de Portugal para um pagamento antecipado confirma a forte posição do país no acesso aos mercados e a confortável posição de liquidez. O crescimento económico em Portugal permanece forte apesar do abrandamento da zona euro. Apoio totalmente o pagamento antecipado de Portugal, por melhorar a sustentabilidade da dívida portuguesa”, disse o presidente do FEEF e diretor do MEE, Klaus Regling.

Estes dois mil milhões correspondiam à totalidade de uma maturidade previstas para agosto de 2025 e parte de uma maturidade prevista para dezembro de 2025.

 

Recomendadas

EUA: Powell reitera novamente apoio da Fed à retoma e aponta a “teste mais exigente” no capítulo laboral

O presidente da Fed voltou a reforçar o compromisso do organismo com o apoio à retoma nos EUA e, apesar de vários governadores do Comité da autoridade monetária verem já progresso suficiente no mercado laboral, esclareceu que pretende ver a economia passar “um teste mais exigente” neste capítulo.

Fed revê crescimento dos EUA em baixa e inflação em alta para este ano

A Reserva Federal estima que o crescimento real do PIB norte-americano seja menor do que os 7% estimados em junho, apontando agora para 5,6% em 2021, mas prevê que 2022 traga uma evolução do PIB mais favorável do que o calculado há três meses.

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.
Comentários