Fundo Europeu de Estabilização Financeira aprova pagamento antecipado de dois mil milhões por Portugal

O FEEF foi um dos credores internacionais de Portugal durante o resgate da troika entre 2011 e 2014, com o fundo europeu a emprestar 26 mil milhões de euros.

Flickr/MATT WRITTLE

O Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) aprovou hoje um pedido de Portugal para fazer o pagamento antecipado de dois mil milhões de euros. Este montante pertence aos empréstimos deste fundo no âmbito do resgate internacional da troika entre 2011 e 2014 no valor de 76,3 mil milhões de euros

Deste total, o FEEF emprestou um total de 26 mil milhões de euros a Portugal , com o Fundo Monetário Internacional (FMI) a emprestar 24,3 mil milhões de euros, e o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) a emprestar 26 mil milhões de euros. Portugal finalizou o pagamento antecipado do seu empréstimo ao FMI em dezembro de 2018.

O pedido foi realizado pelo Governo português a 28 de junho, através do ministro das Finanças, Mário Centeno, e teve de ser sujeito à aprovação do conselho de diretores do FEEF, segundo o comunicado da instituição europeia.

Portugal torna-se assim no segundo país beneficiário a proceder a um pagamento antecipado do empréstimo, depois de Espanha que já realizou nove pagamentos antecipados.

“O pedido de Portugal para um pagamento antecipado confirma a forte posição do país no acesso aos mercados e a confortável posição de liquidez. O crescimento económico em Portugal permanece forte apesar do abrandamento da zona euro. Apoio totalmente o pagamento antecipado de Portugal, por melhorar a sustentabilidade da dívida portuguesa”, disse o presidente do FEEF e diretor do MEE, Klaus Regling.

Estes dois mil milhões correspondiam à totalidade de uma maturidade previstas para agosto de 2025 e parte de uma maturidade prevista para dezembro de 2025.

 

Recomendadas

Rio tem “feeling” na vitória de Moedas e fala de “vigarice” nas sondagens

“Quem vai ganhar? Não sabemos, o meu feeling é que ganha o Carlos Moedas e é isso que temos de continuar a fazer até dia 26 de setembro”, disse Rui Rio.

Bruxelas “acompanha de perto” subida dos preços da energia

“Na situação atual, a Europa precisa de investir em energias renováveis, uma vez que estas oferecem uma alternativa real à nossa dependência de combustíveis fósseis importados”, disse o comissário Kadri Simson.

Remessas dos emigrantes sobem 6,4% em julho

As remessas dos portugueses a trabalhar no estrangeiro subiram 6,4% em julho, para 366,8 milhões de euros, ao passo que os imigrantes em Portugal enviaram 43,3 milhões, menos 2% que no período homólogo de 2020.
Comentários