Fundos Corum captaram mais de 500 milhões de euros em 2020

A Corum, sociedade francesa que gere mais de quatro mil milhões de euros em soluções de poupança, anunciou que os seus fundos, Corum Origin e Corum XL, comercializados em Portugal, já asseguraram os objetivos de rentabilidade previstos para este ano.

Reuters

A Corum Investments conquistou 11 mil novos clientes no ano passado, que aplicaram 509 milhões de euros nos fundos da sociedade gestora de investimentos, presente em Portugal desde 2019. A gestora francesa avança ainda que os fundos Corum vão cumprir as metas de rentabilidade previstas para este ano, diz a gestora em comunicado. Os fundos Corum Origin rendem 6% aos acionistas e Corum XL tiveram um retorno de 5,66%, adianta a empresa.

José Gavino, diretor da Corum em Portugal salienta que “num ano sem precedentes, a Corum mereceu a confiança dos investidores europeus, que nos permitiram angariar mais de 500 milhões de euros. Oferecer novas soluções de poupança foi um elemento chave da nossa estratégia para satisfazer as necessidades e exigências dos aforradores”.

A sociedade gestora avança ainda, em comunicado, que “num ano profundamente marcado pela pandemia da Covid-19, a taxa de ocupação dos imóveis, detidos e geridos por ambos os fundos, manteve-se a um nível muito elevado (taxa de ocupação financeira superior a 98%), e a taxa de cobrança de rendas esteve próxima do normal”. E realça que o impacto dos efeitos da Covid-19 nas rendas “foi marginal”, tendo reduzido a rentabilidade anual do Corum Origin em apenas 0,08% e do Corum XL em apenas 0,04%. Ainda assim, assegura, estes fundos comercializados em Portugal, “superaram os objetivos traçados para o ano passado”.

A gestora francesa dá conta que gere os imóveis que adquire e realça o facto de centrar a aquisição dos imóveis em contratos de longo prazo e arrendatários com grande capacidade financeira, bem como a proximidade que mantém com os seus inquilinos o que, diz, “permitiu-lhe, desde o início da pandemia, identificar as necessidades dos arrendatários e evitar incumprimentos nos pagamentos de renda ou rescisões de contratos”.

Para José Gavino, “2021 oferece perspetivas mais tranquilizadoras em termos de saúde”, sinalizando que aguarda “uma recuperação económica mais forte a partir da primavera” e que a sociedade de investimentos vai “acompanhar de perto as incertezas ligadas à Covid-19 e ao calendário de vacinação”, realçando que neste momento a gestora tem ativos em setores como a logística e supermercados a valorizar, e ativos como os hotéis a desvalorizar.

No ano passado, os fundos da Corum investiram cerca de 680 milhões de euros e, pela primeira vez, foi realizado um investimento fora do continente europeu, recorda, em comunicado, avançando que o Corum XL adquiriu uma propriedade industrial localizada na área da Grande Montreal, na província do Quebeque. “O investimento superou os 16 milhões de euros e o edifício é ocupado por uma farmacêutica”, frisa.

“Um marco histórico para a gestora de poupanças francesa que para 2021 mantém a estratégia de investimento de diversificar ativos e procurar imóveis que sejam compatíveis com o objetivo de desempenho, aproveitando as oportunidades geradas pela situação económica no mercado imobiliário”, conclui a gestora francesa, adiantando que a Corum fechou o ano com quase quatro mil milhões de euros de ativos sob gestão e perto de 60 mil acionistas.

Ler mais

Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários