Fusões e aquisições de empresas nacionais movimentaram 23 mil milhões em Portugal em 2018

Os investimentos de venture capital fecharam o ano em alta, com os melhores resultados dos últimos quatro anos e 462 milhões aportados.

Menos negócios, mas mais dinheiro envolvido. Assim terminou o último ano em termos de transações empresariais em Portugal. O mercado de fusões e aquisições (M&A) português movimentou 22,6 mil milhões de euros em 2018, mais 76% face a 2017, segundo o mais recente relatório da Transactional Track Record (TTR), publicado esta quinta-feira, 10 de janeiro.

A nível de transações (deals) foram registadas 350, o que significa uma ligeira quebra de 2,23% quando comparada com o período homólogo. Os investidores espanhóis e os britânicos [cross-bord] foram os que mais interesse demonstraram em fazer este tipo de operações no país, tendo havido 49 investimentos de empresas de Espanha (2,3 mil milhões de euros) e 25 de firmas com sede no Reino Unido (1,6 mil milhões de euros). “A sombra do Brexit não arrefeceu o interesse britânico pelos negócios portugueses”, refere o TTR.

Segundo o mesmo documento, só no quarto trimestre de 2018 foram anunciados 101 novos deals em Portugal. Porém, apenas 46 tornaram públicos informações financeiras sobre o negócio (neste caso, totalizando 5,7 mil milhões de euros, valor superior em 41% comparativamente ao último trimestre de 2017).

Neste trimestre, a conclusão da compra de 70% da portuguesa Frutorra pela espanhola Grefusa foi a maior transação, de acordo com o diretório. A operação teve assessoria da Garrigues, PwC e CNA Corporate Finance.

“O segmento Imobiliário teve mais uma vez uma forte influência no volume financeiro do ano, aparecendo como o mais ativo do período, com 90 operações registadas, uma alta de 27%, seguindo tendência que se repete desde 2015 (…). Enquanto Tecnologia e Financeiro e Seguros anotaram crescimento de 3% e 6%, respetivamente, o segmento de Turismo, Hotelaria, Restaurantes teve alta de 68% no ano”, pode ler-se no relatório.

A marcar o ano que terminou há pouco estiveram ainda os investimentos em capital de risco. Ao contrário do private equity (-6%, para 1,9 mil milhões de euros), venture capital fechou o ano em alta, com os melhores resultados dos últimos quatro anos (45 operações e 462 milhões aportados).

Ranking de assessorias jurídicas2018 
Linklaters Portugal10,8 mil milhões de euros
PLMJ10,7 mil milhões de euros
Morais Leitão10,2 mil milhões de euros

 

Ranking de assessorias financeiras 2018
Millennium bcp9,6 mil milhões de euros
Bank of America9,1 mil milhões de euros.
Citigroup9,1 mil milhões de euros

*Por valor total de transações

 

Ler mais
Recomendadas

“Praia, comida e vinho ajudaram”. O que dizem os estrangeiros que montam negócios em Portugal

A próxima edição do “Launch in Lisbon”, organizado pela incubadora Startup Lisboa para ajudar empreendedores e freelancers estrangeiros que pretendam instalar um negócio em Portugal, realiza-se entre os dias 4 e 8 de março. O Jornal Económico falou com Jeferson Valadares e Wendy van Leeuwen, que já se renderam à capital portuguesa.

CMS e jornal alemão “Die Zeit” debatem novos modelos de negócio em Davos

Na edição deste ano a discussão será sobre “O poder das plataformas: um novo modelo de negócio”. Entre os convidados estão o presidente-executivo do Deutsche Bank, o sócio executivo da IBM Automation Platform Leader Europe e o vice-presidente do Booking.com.

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais, diz a PwC

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.
Comentários