PremiumFuturo do trabalho: Nada voltará a ser como antes

A pandemia acelerou o processo de digitalização, mudando para sempre a forma como trabalhamos e vivemos. O Jornal Económico ouviu vários especialistas para compreender os desafios que esta nova realidade coloca em áreas como o emprego, as desigualdades, o planeamento urbanístico, o mercado imobiliário e o ensino superior.

A chegada da pandemia obrigou a mudanças profundas na sociedade e no nosso modo de vida, com uma das mais óbvias e impactantes sob a forma do teletrabalho, que tem ramificações nas preferências por habitação, no modelo de ensino e nas desigualdades entre uma mesma população. Um ano volvido, como será o futuro da nossa vida coletiva?

Apesar de muitos postos de trabalho terem saído razoavelmente ilesos do primeiro impacto com o vírus, ao serem ‘transportados’ para a casa de cada trabalhador, esta realidade trouxe novos desafios, começando pela diferença entre estes cidadãos e aqueles nos sectores cuja área de atividade não permite o trabalho remoto. Adicionalmente, quem passou a trabalhar a partir de casa verificou que tal é possível fora dos centros urbanos, deslocando-se para zonas de menor pressão imobiliária e, sobretudo, onde o modo de vida permite maior distanciamento entre as pessoas. Assim, e ao fim de um ano neste paradigma, os efeitos dificilmente se extinguirão com o controlo da pandemia.

O próprio Governo deu o mote para a fixação do teletrabalho como o novo padrão, pelo menos até ao final do ano, nas atividades que assim o permitam. No entanto, o primeiro-ministro foi igualmente o primeiro a reconhecer, já em novembro, um “grande incumprimento” desta recomendação, espelhando as preocupações de alguns economistas sobre a cultura laboral em Portugal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumBrasil e Índia estão a enfrentar o pior da pandemia

Dois países distantes um do outro, mas que convergem em termos de várias caraterísticas endógenas às suas sociedades, são os epicentros dos piores dias da catástrofe sanitária que assola o mundo. Com cada um deles a tentar desenvencilhar-se das suas próprias incapacidades e a ajuda internacional a não poder chegar a todo o lado, a única estratégia parece ser esperar que o pior passe. E, como não podia deixar de ser, o pior da alma humana já está em campo.

PremiumCaitlyn Jenner: Uma candidata a governadora que ao longo dos anos só não mudou de orientação política

Já foi campeão olímpico e recordista mundial do decatlo, muito antes de se tornar o padrasto das irmãs Kardashian. Aos 71 anos, e enquanto mulher transexual, Caitlyn Jenner quer dar a primeira grande vitória ao Partido Republicano na Califórnia desde a eleição de Arnold Schwarzenegger.

PremiumDivórcio: Separam-se os que a Microsoft uniu

Bill e Melinda Gates escolheram o Twitter para anunciar o fim da relação de 27 anos. Desde então, o divórcio tem atraído a atenção da comunicação social pela fortuna do casal, avaliada em 130,5 mil milhões de dólares (cerca de 107 mil milhões de euros), que agora poderá ser dividida, superando os valores do divórcio de Jeff Bezos e MacKenzie Scott.
Comentários