G20 quer impor taxa a gigantes tecnológicos e espera encerrar assunto até final do ano

O G20 quer que as gigantes tecnológicas paguem imposto sonde geram negócio e não onde têm instaladas as suas subsidiárias.

O G20, organismo que reúne as economias mais poderosas do mundo com o intuito de desenvolver cooperação a nível económico, quer mostrar unidade no que diz respeito à taxação das gigantes tecnológicas, como o Google, Amazon, Facebook, e contra a política de “optimização fiscal” seguida por estas empresas, refere a Reuters.

A agência noticiosa sublinha que estão a ser desenhadas um conjunto de regras, por parte da Organização para a Cooperação Económica e Desenvolvimento, para que as companhias tecnológicas passem a pagar impostos onde realizam negócio e não onde registam as suas subsidiárias.

A expectativas é que essa mudança aumente as receitas fiscais em 100 mil milhões de dólares anuais.

A Reuters cita declarações de Olaf Scholz, ministro das finanças da Alemanha, que dirigindo-se a Steven Mnuchin, secretário do tesouro do Estados Unidos, afirmou “que não há tempo para esperar” por eleições.

Steven Mnuchin admitiu que a expectativa é que este dossier esteja terminado no final do ano. Segundo a agência noticiosa existe a expectativa de que o G20 chegue a um acordo sobre esta taxa a aplicar às gigantes tecnológicas até final do ano.

Recomendadas

PremiumGaliza e País Basco sem nada de novo na frente autonómica

A norte de Portugal, o PP deverá manter a maioria absoluta obtida em 2009. Bem mais longe, coligação entre nacionalistas e socialistas é para manter.

“Vai acontecer outra vez”, garante comité independente da OMS para avaliar pandemia

Após ter sido nomeada, a antiga primeira-ministra apontou que o mundo deve enfrentar as futuras crises económicas, sociais e políticas com os “pés assentes na terra”.

Pandemia deverá contrair economia do Japão ao ritmo mais rápido de várias décadas, estima Reuters

“Levaria dois ou três anos para a atividade económica regressar a níveis normais no Japão, enquanto os mercados internacionais devem continuar a sofrer com a propagação do vírus”, afirma o economista chefe do Instituto de Investigação Itochu, Atsushi Takeda.
Comentários