G20 quer impor taxa a gigantes tecnológicos e espera encerrar assunto até final do ano

O G20 quer que as gigantes tecnológicas paguem imposto sonde geram negócio e não onde têm instaladas as suas subsidiárias.

O G20, organismo que reúne as economias mais poderosas do mundo com o intuito de desenvolver cooperação a nível económico, quer mostrar unidade no que diz respeito à taxação das gigantes tecnológicas, como o Google, Amazon, Facebook, e contra a política de “optimização fiscal” seguida por estas empresas, refere a Reuters.

A agência noticiosa sublinha que estão a ser desenhadas um conjunto de regras, por parte da Organização para a Cooperação Económica e Desenvolvimento, para que as companhias tecnológicas passem a pagar impostos onde realizam negócio e não onde registam as suas subsidiárias.

A expectativas é que essa mudança aumente as receitas fiscais em 100 mil milhões de dólares anuais.

A Reuters cita declarações de Olaf Scholz, ministro das finanças da Alemanha, que dirigindo-se a Steven Mnuchin, secretário do tesouro do Estados Unidos, afirmou “que não há tempo para esperar” por eleições.

Steven Mnuchin admitiu que a expectativa é que este dossier esteja terminado no final do ano. Segundo a agência noticiosa existe a expectativa de que o G20 chegue a um acordo sobre esta taxa a aplicar às gigantes tecnológicas até final do ano.

Recomendadas

Quando um vírus serve para tentar legitimar as democracias musculadas

Populações são condescendentes com limitações no contexto de estado de emergência, mas há governos que tendem a exagerar as intrusões e a eternizar as medidas de exceção. Os suspeitos são os do costume.

Reino Unido poderá demorar mais de seis meses a regressar à normalidade

A previsão foi avançada durante o encontro virtual com os meios de comunicação, realizado diariamente a partir de Downing Street, – residência oficial do primeiro-ministro, Boris Johnson – que hoje contou também com o ministro britânico da Habitação, Robert Jenrick.

Alemanha. Ministro das finanças do estado de Hasse encontrado morto em linha do comboio

Thomas Schäfer tinha 54 anos e tinha aparecido recentemente em diversos eventos públicos para alertar para o risco do contágio da Covid-19. Era membro da CDU, o partido de centro-direita da chanceler Angela Merkel.
Comentários