G7 compromete-se em fornecer mais de mil milhões de doses de vacinas anti-Covid

O objetivo será um de fornecer doses aos países mais desfavorecidos cujo o acesso às vacinas seja mais difícil. Distribuição deverá acontecer até ao próximo ano.

O grupo do G7 comprometeu-se, neste domingo, em fornecer mil milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 a países desfavorecidos, das quais os EUA poderão avançar com 500 milhões e o Reino Unido 100 milhões até 2022. Este era um dos compromissos que se esperava que fossem anunciados já hoje.

De acordo com a nota consultada pela “Reuters”, a estratégia por trabalhar o sector privado, o G20 e outros países para aumentar as contribuições destes fármacos nos próximos anos.

Na nota citada pela agência, lê-se que: “O compromisso, desde o último encontro no passado fevereiro de 2021, aqui em Carbis Bay, é um de fornecer mil milhões de doses no próximo ano”.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, saudou este sábado como um “momento histórico” a declaração proposta pelo G7 para prevenir futuras pandemias, que visa em particular reduzir o tempo para desenvolver vacinas e reformar a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Com este acordo, as principais democracias do mundo vão comprometer-se a evitar que uma pandemia global volte a acontecer, para que a devastação causada pela covid-19 nunca se repita”, disse Boris Johnson, na sua conta na rede social Twitter.

Dirigentes dos países do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) e da União Europeia estão este fim-de-semana reunidos em Carbis Bay, na Cornualha, sudoeste de Inglaterra, onde se vão juntar também o secretário-geral da ONU, António Guterres, e os líderes da Austrália, África do Sul, Coreia do Sul e Índia, este último por videoconferência.

Recomendadas

Falta de legislação impede criação de fundo sísmico com oito mil milhões, diz APS

A Associação Portuguesa de Seguradores diz que é o sector segurador e ressegurador e não o Estado quem assume diretamente responsabilidades inicialmente até oito mil milhões de euros, mas que o fundo não poderá funcionar sem o necessário enquadramento legal.

“Recuperação económica tem de ser feita com os olhos postos no futuro”, diz António Costa

O líder do PS e primeiro-ministro, António Costa, salientou hoje que a recuperação económica do país “tem que ser feita com os olhos postos no futuro”, considerando essencial assegurar condições às novas gerações para se autonomizarem.

PremiumPensionistas vão receber metade do salário em 20 anos

Bruxelas estima que capacidade das pensões de substituição dos rendimentos do trabalho cai em Portugal de 74% em 2019 para 54,5% em 2040.
Comentários