Galamba garante que não haverá “subidas significativas” do preço da luz

Para o secretário de Estado, a melhor maneira de ajudar os consumidores, tanto domésticos como industriais, de forma sustentável ao longo da próxima década “é acelerar muito significativamente” o investimento em energia solar e eólica, por forma a antecipar as metas do Plano Nacional de Energia e Clima (PNEC).

O secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, garantiu, esta terça-feira, que, com a informação disponível à data, não haverá “subidas significativas” do preço da eletricidade para os consumidores domésticos, mas não se comprometeu com a ausência de subida.

“Não nos comprometemos com valores concretos, não nos comprometemos se sobe 1%, se não sobe de todo […], o que sabemos é [que], face à enorme subida no preço grossista de eletricidade, temos os meios para evitar aumentos significativos dos consumidores domésticos e tudo faremos para que não haja aumentos, só que as contas só se fecham mais à frente e não temos toda a informação e portanto é tão longe quanto podemos ir”, afirmou o governante aos jornalistas, à margem da sessão de apresentação de um estudo sobre o impacto da eletricidade de origem renovável, apresentado hoje pela Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN), num hotel em Lisboa.

Desta forma, o secretário de Estado com a pasta da Energia garantiu que as subidas do preço da eletricidade, a existir, serão reduzidas. “Veremos no dia 15 de outubro e durante o processo tarifário qual é esse exato valor, temos também o Orçamento do Estado onde também esses temas poderão ser debatidos e, portanto, neste momento não temos todas as variáveis, mas com a informação que já temos podemos garantir que não haverá subidas significativas do preço da eletricidade para os consumidores domésticos”, reiterou João Galamba.

Para o secretário de Estado, a melhor maneira de ajudar os consumidores, tanto domésticos como industriais, de forma sustentável ao longo da próxima década “é acelerar muito significativamente” o investimento em energia solar e eólica, por forma a antecipar as metas do Plano Nacional de Energia e Clima (PNEC).

“Por características várias do nosso sistema tarifário, seja porque temos 50% do preço da eletricidade produzida com umas tarifas fixas, que no passado geravam custos, mas agora geram benefícios, seja pelo fim do contrato de aquisição de energia do Pego, enfim, há um conjunto de fatores que funcionam como um seguro e que mitigam a subida do preço da eletricidade”, explicou.

Relacionadas

Renováveis pouparam 6.100 milhões de euros aos consumidores de eletricidade entre 2016 e 2020

Estas são algumas das conclusões de um estudo que vai ser apresentado hoje, sobre o impacto da eletricidade de origem renovável, encomendado pela Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN) à consultora Deloitte.
Recomendadas

EDP assegura contrato de 15 anos para projeto solar no Brasil

O contrato de aquisição de energia (CAE) tem como base o projeto solar ‘Monte Verde’ de 209 megawatts situado no estado do Rio Grande do Norte, sendo que a operação deverá arrancar em 2024.

CEO da OZ Energia: “Governo devia intervir menos” no mercado dos combustíveis porque é liberalizado

Micaela Silva apontou que, se no passado o Governo atuou de forma “muito agressiva” no agravamento do ISP, porque o preço do petróleo estava baixo, agora, estando-se a viver a situação inversa com os preços no mercado grossista a bater recordes sucessivos, “havia que decrescer” o imposto.

João Lourenço nega que pretende exonerar administrações da Sonangol

Segundo o presidente angolano, são muito raras as vezes que sociedade angolana se apercebe quando tenciona fazer mexidas, garantindo que “não mudou” e a sua forma de atuação e que as referidas informações são meras especulações.
Comentários