Galp é a petrolífera mais sustentável da Europa, garante índice de sustentabilidade da Dow Jones

A petrolífera portuguesa arrecadou o primeiro prémio na versão europeia do índice, liderando na categoria ‘Oil & Gas Upstream & Integrated’. No índice mundial concorriam 52 empresas, sendo que a empresa conquistou a terceira posição.

Cristina Bernardo

A Galp volta a conquistar a posição de empresa mais sustentável do setor petrolífero na Europa e a terceira melhor a nível mundial pelo Índice de Sustentabilidade da Dow Jones (DJSI) deste ano. O ano de 2019 marca ainda a melhor pontuação da empresa nos índices, nos oito anos em que apresenta registo.

“Este reconhecimento reflete o compromisso da empresa em criar valor partilhado para todos os seus stakeholders, implementando as melhores práticas nas dimensões ambiental, social e de governo corporativo”, referiu o diretor-executivo da Galp, Carlos Gomes da Silva, num comunicado oficial.

Assim, a petrolífera portuguesa arrecadou o primeiro prémio na versão europeia do índice, liderando na categoria ‘Oil & Gas Upstream & Integrated’. No índice mundial concorriam 52 empresas, sendo que a empresa conquistou a terceira posição.

A Galp atingiu também os melhores resultados na dimensão ‘ambiente’, destacando-se nos ‘riscos relacionados com a água e estratégia climática’. A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva recebeu ainda uma “classificação de topo” na dimensão ‘económica’. Na dimensão ‘social’, a firma recebeu a menção de ‘desenvolvimento do capital humano’ e de ‘cidadania corporativa e filantropia’.

A nível global, a empresa distingui-se na ‘gestão de risco e de crise’.

Relacionadas

EDP e Galp são as únicas cotadas portuguesas em novo índice acionista baseado na sustentabilidade

Euronext lançou esta quarta-feira dois novos índices, cuja integração de ações é baseado em critérios de sustentabilidade. O ‘Euronext CDP Environment Eurozone EW’ inclui duas cotadas portuguesas.

Como aumentar a eficiência energética em Portugal?

O proteção do meio ambiente e os interesses económicos cruzam-se no caminho para a eficiência energética. De acordo com o Plano Nacional Energia e Clima 2021-2030, Portugal compromete-se a reduzir o consumo de energia primária em 35% em 2030 face ao consumo de 2007. Para cumprir estas metas, os especialistas enumeraram os próximos passos que passam pela eletrificação dos transportes ou a reconversão dos edifícios já construídos. A sustentabilidade e, dentro dela, a eficiência energética, depende de uma ação conjunta de todos os atores da sociedade.
Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários